Meteorologia

  • 12 JULHO 2024
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Monte Everest registra temporada com ao menos 5 mortes e novas filas de alpinistas

Especialistas alertam para os perigos do trânsito intenso e pressionam o governo do Nepal pela limitação do fluxo

Monte Everest registra temporada com ao menos 5 mortes e novas filas de alpinistas
Notícias ao Minuto Brasil

19:48 - 29/05/24 por Folhapress

Mundo Montanha

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A atual temporada de escalada do monte Everest, que termina na próxima sexta-feira (31), vem registrando filas e congestionamento de alpinistas. Especialistas alertam para os perigos do trânsito intenso e pressionam o governo do Nepal pela limitação do fluxo -nos últimos dois meses, pelo menos oito pessoas morreram ou foram consideradas desaparecidas na montanha mais alta do mundo.

Vídeos publicados nas redes sociais mostram dezenas de alpinistas aglomerados perto do cume, numa cena que se tornou recorrente nos últimos anos. Em 2023, 18 pessoas morreram tentando chegar ao topo, segundo o site especializado Himalayan Database, numa das temporadas mais mortais de toda a história.

Os números reforçam críticas contra a quantidade de permissões para escalada emitidas pelas autoridades. Guias de turismo nepaleses apontam a chegada de viajantes inexperientes, a ocorrência de condições meteorológicas extremas e o relaxamento de medidas de segurança como fatores que têm feito os óbitos aumentarem.

O rápido crescimento do turismo de escalada no país levou a uma competição acirrada entre as empresas, gerando preocupações de que as companhias cortem os orçamentos de segurança para reduzir os preços com o objetivo de atrair mais clientes.

A atividade representa uma fonte de receita importante para o Nepal. O país abriga 8 das 10 montanhas mais altas do mundo e recebe centenas de aventureiros na primavera, período em que as temperaturas são mais amenas e há menos vento. Nesta temporada o governo emitiu 421 licenças para alpinistas, número abaixo do recorde de 478 registrado em 2023, mas ainda assim questionado por especialistas.

No total, cerca de 600 pessoas chegaram ao topo da montanha desde abril, quando a atual temporada começou. O número inclui alpinistas estrangeiros e os guias, que não precisam da permissão do governo.

Sob o argumento de preservar a montanha e evitar os congestionamentos vistos nos últimos anos, a Justiça do Nepal intimou o governo, no começo do mês, a limitar as permissões de escalada no Everest e em outras montanhas.

O texto publicado diz que a capacidade das montanhas "deve ser respeitada" e que é necessário determinar um número máximo adequado de licenças. Uma versão mais completa será divulgada, já que a decisão mais recente não menciona um limite específico ao número de permissões.

A decisão do tribunal ainda impôs restrições aos helicópteros, que só poderão ser usados em casos de resgates de emergência. Nos últimos anos, as aeronaves vêm sendo usadas com frequência para transportar equipamentos de montanhismo aos acampamentos-base e terrenos perigosos.

Segundo especialistas, muitos alpinistas chegam ao Nepal sem a preparação adequada para escalar o Everest, cujo cume está a 8.848 metros acima do nível do mar. Numa tentativa de reduzir o número de mortes, o governo determinou em 2019 que aqueles que querem fazer a atividade deverão subir antes um pico nepalês acima de 6.500 metros para então obter a permissão.

Mas analistas dizem que a medida é insuficiente. O congestionamento de alpinistas faz com que as equipes esperem horas em regiões próximas do topo, à beira de precipícios e com temperaturas abaixo de zero -arriscando esgotar os níveis de oxigênio, podendo levar a doenças e exaustão.

Nesta quarta (29), um alpinista indiano foi confirmado morto, aumentando o número de fatalidades na atual temporada para cinco. Todas as mortes ocorreram a mais de 8.000 metros, na chamada zona da morte, onde a falta de oxigênio aumenta as chances de hipoxemia (insuficiência de oxigênio no sangue). Três outros alpinistas -um britânico e dois sherpas- estão desaparecidos.

Temporadas passadas também registraram números altos de mortes, mas muitas delas ocorreram em eventos únicos e de grandes proporções, diferentemente do que tem acontecido nos últimos anos. Em 2014, por exemplo, 16 guias nepaleses morreram em uma avalanche que fechou o acesso ao cume. Em 2015, pelo menos 18 pessoas morreram num terremoto que fez outras 9.000 vítimas no país.

Já em 2019, pelo menos 4 das 11 mortes na montanha foram atribuídas ao congestionamento. Além do trânsito de alpinistas, os guias dizem que o frio acima da média tem sido outro desafio nas escaladas -as temperaturas podem chegar a -40°C.

Cientistas afirmam que o aumento da frequência e da intensidade de fenômenos extremos está relacionado à crise do clima, provocada pela atividade humana. Além do número alto de mortes, socorristas vêm registrando com mais frequência casos de queimaduras causadas pelo frio e de edema pulmonar provocado pela altitude, que ocorre quando líquido se acumula nos pulmões.

Cerca de 7.000 alpinistas chegaram ao cume do Everest -muitos deles várias vezes- desde que ele foi escalado pela primeira vez em 1953. Ao menos 335 alpinistas morreram na tentativa de chegar ao topo.

Campo obrigatório