Meteorologia

  • 18 OUTUBRO 2017
Tempo
13º
MIN 13º MÁX 13º

Edição

Madri fecha cerco para impedir referendo na Catalunha

Após início de campanha, governo reforçou controle sobre gastos

Madri fecha cerco para impedir referendo na Catalunha
Notícias ao Minuto Brasil

15:15 - 15/09/17 por Ansa

Mundo espanha

O governo de Madri está usando todos os dispositivos legais possíveis para impedir que a região da Catalunha faça seu referendo separatista, conforme desejam os líderes catalães, no próximo dia 1º de outubro.   

Após bloquear sites com cunho separatista e ameaçar processar cerca de 700 prefeitos catalães que apoiam o referendo, o governo de Mariano Rajoy decidiu reforçar o controle sobre as contas regionais e informou que irá pagar diretamente os salários dos serviços públicos da Catalunha.   

Segundo o ministro das Finanças espanhol, Cristobal Montoro, a medida é para evitar que grandes quantias de dinheiro público sejam usadas para o referendo. Madri ainda deu 48 horas para que os catalães apresentem todos os gastos com o serviço público na região.   

A decisão surge menos de um dia depois de defensores da separação iniciarem a campanha online e nas ruas a favor do voto "sim" no referendo. Até por conta disso, a Guarda Civil fez apreensões em duas tipografias e apreendeu uma quantidade grande de material favorável à independência da Catalunha.   

Já sobre o presidente regional catalão, Carles de Puigdemont, o governo Rajoy "não exclui nada", informou o porta-voz do Executivo, Inigo Mendez de Vigo. Recentemente, o premier espanhol ameaçou ativar o artigo 155 da Constituição do país para retirar a "autonomia" da Catalunha e de Puigdemont.   

Do outro lado, o líder catalão enviou uma carta ao rei Felipe VI e a Rajoy pedindo "diálogo" entre todas as partes.

"Os conflitos políticos são resolvidos nos sistemas democráticos através de propostas políticas, resultados de negociações e diálogo", escreveu no documento que também foi assinado pelo vice-presidente, Oriol Junqueras, pela líder no Parlamento, Carme Forcadell, e pela prefeita de Barcelona, Ada Colau. (ANSA)

Campo obrigatório