Meteorologia

  • 20 FEVEREIRO 2020
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Projeto testa uso de energia nuclear no controle do Aedes aegypti

Mosquitos machos, esterilizados com radiação gama, estão sendo liberados no ambiente para competir com os selvagens no acasalamento

Projeto testa uso de energia nuclear no controle do Aedes aegypti
Notícias ao Minuto Brasil

20:46 - 16/02/16 por Notícias Ao Minuto

Tech Saúde

O uso de energia nuclear no combate ao mosquito Aedes aegypti é tema de uma pesquisa realizada pela Fiocruz Pernambuco e pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), em Fernando de Noronha. Mosquitos machos, esterilizados com radiação gama, estão sendo liberados no ambiente para competir com os selvagens no acasalamento.

Ao vencerem essa disputa, eles passam espermatozóides inviáveis, que são utilizados pelas fêmeas durante todo o seu processo de postura dos ovos, sem gerar novas larvas do inseto. Como a fêmea do mosquito costuma ficar disponível para acasalar apenas uma vez ao longo de sua vida, o cruzamento com machos estéreis acaba impedindo sua reprodução. A partir do uso dessa tecnologia, é esperada uma diminuição da densidade populacional do Aedes.

A iniciativa, segundo o Portal Brasil, utiliza uma subpopulação de mosquitos da própria ilha, buscando preservar suas características genéticas, que já estão adaptadas às condições ambientais do local. A etapa atual está centrada na liberação dos mosquitos em quatro pontos da Vila da Praia da Conceição. De dezembro até a primeira quinzena de fevereiro foram realizadas nove liberações, cada uma com três mil machos estéreis.

A coordenadora do projeto, a pesquisadora da Fiocruz PE Alice Varjal, explica que o impacto da medida será avaliado pela quantidade de ovos inviáveis que serão coletados. Será medida a fecundidade (quantidade de ovos colocados) e a fertilidade (viabilidade dos ovos).

As avaliações começam a ser realizadas a partir do final de fevereiro, para verificar se a redução de cerca de 70% da viabilidade dos ovos, observada em laboratório, também se confirmará em campo.

Iniciado em 2013, o projeto já tem como produtos a formação de recursos humanos em mestrado (já finalizado) e doutorado (em andamento).

Campo obrigatório