Meteorologia

  • 24 JULHO 2024
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Sínodo dos Bispos: carta não faz referências às guerras da Ucrânia e de Israel

Apesar dos dois conflitos, o texto não faz qualquer menção direta

Sínodo dos Bispos: carta não faz referências às guerras da Ucrânia e de Israel
Notícias ao Minuto Brasil

12:12 - 26/10/23 por Estadao Conteudo

Mundo Vaticano

O Vaticano publicou nesta quarta-feira, 25, a carta aos fiéis elaborada a partir do Sínodo dos Bispos, encontro do papa Francisco com demais clérigos no qual deliberam, em assembleia, sobre o futuro da Igreja Católica. Não há referências às guerras da Ucrânia e de Israel.

Apesar dos dois conflitos, o texto não faz qualquer menção direta. "Rezamos pelas vítimas da violência assassina, sem esquecer todos aqueles que a pobreza e a corrupção lançaram nos perigosos caminhos da migração", diz. Pela primeira vez, mulheres puderam participar do Sínodo dos Bispos e ter poder de voto - ao todo, 54 delas estiveram na assembleia.

O documento, o primeiro divulgado em quase um mês de reuniões, diz que a Igreja deve se comprometer para garantir que nenhuma pessoa seja vítima de abusos por parte do clero. Também afirma que deve se aproximar dos mais pobres e a escutar as pessoas que são vítimas de racismo, incluindo os indígenas e os povos cujas culturas são desprezadas. Porém, a reunião manteve a resistência à abertura para a participação das mulheres em cargos altos dentro da Igreja.

O Sínodo foi convocado por Francisco para ser realizado entre os anos 2021 e 2024, como parte de seus esforços para reformar a Igreja. Durante dois anos de consultas preliminares entre os católicos em todo o mundo, houve um apelo para que a Igreja, que proíbe mulheres nos seus cargos mais altos, abrisse mais oportunidades para o público feminino assumir papéis de tomada de decisão. O processo acabou gerando uma expectativa por mudanças, mas a carta divulgada nesta quarta-feira deixa claro que essas diferenças permanecem.

O cardeal Robert Prevost, chefe americano do escritório dos bispos do Vaticano, disse que as mulheres estão recebendo cada vez mais cargos de alto escalão no Vaticano e estão até sendo consultadas na nomeação de bispos. Mas, ele insistiu que não há como mudar a tradição de 2.000 anos da Igreja, que confere a ordenação sacerdotal apenas aos homens.

O cardeal Dieudonn Nzapalainga, arcebispo de Bangui, na República Centro-Africana, disse que as mulheres não podem ser deixadas para trás. No entanto, afirmou que incluí-las em funções de autoridade na Igreja era um "trabalho em andamento". "Eles não têm um papel formal, mas eu escuto. Eu ouço as mulheres. Convido as mulheres a participar", disse.

Mulheres reclamam que são excluídas do sacerdócio e dos mais altos cargos de poder, mas, em contrapartida, são as responsáveis pela maior parte do trabalho da Igreja. Nas observações à assembleia nesta quarta-feira, o papa Francisco falou longamente sobre a natureza feminina da Igreja.

A carta teve aprovação de 336 dos 364 membros que integram o Sínodo. Os delegados retornarão a Roma em outubro do próximo ano para continuar o debate e apresentar propostas a Francisco. (Com Associated Press).

Leia Também: Presidente turco classifica ataques israelenses como massacres

Campo obrigatório