Meteorologia

  • 12 JULHO 2024
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Mala com US$ 10 mil é encontrada entre doações para o RS

A mala continha documentos de seu dono, um delegado aposentado da Polícia Federal que mora na cidade paulista e foi localizado pela equipe do parlamentar. Segundo Trzeciak, o dinheiro foi enviado por engano e será devolvido.

Mala com US$ 10 mil é encontrada entre doações para o RS
Notícias ao Minuto Brasil

17:00 - 12/06/24 por Estadao Conteudo

Brasil Rio Grande do Sul

Uma mochila com US$ 10 mil (cerca de R$ 53 mil) foi encontrada nesta terça-feira, 11, entre as doações enviadas aos gaúchos afetados pelas chuvas recebidas pela equipe do deputado federal Daniel Trzeciak (PSDB-RS). Ela estava em um caminhão que levou doações de Santos, no litoral de São Paulo, até Pelotas.

A mala continha documentos de seu dono, um delegado aposentado da Polícia Federal que mora na cidade paulista e foi localizado pela equipe do parlamentar. Segundo Trzeciak, o dinheiro foi enviado por engano e será devolvido.

O deputado postou nas redes sociais um vídeo contando a história. Por meio da campanha que liderou, Trzeciak recebeu quatro caminhões de doações feitas por moradores de Santos para os gaúchos. Havia roupas, alimentos, material de higiene pessoa e de limpeza e ração para animais.

Quando sua equipe fazia a triagem das roupas, abriu uma mochila onde estavam peças doadas e viu que, além das roupas, havia o dinheiro, fotos, cartas e documentos de uma pessoa chamada Mario Cassiano Dutra. A equipe do parlamentar pesquisou e descobriu tratar-se de um delegado aposentado da Polícia Federal que tem 77 anos e mora em Santos.

Segundo Trzeciak, seus assessores localizaram Dutra e contaram sobre os dólares e demais objetos, e ele afirmou que não se lembrava do dinheiro, que ele havia guardado há mais de 15 anos. "Nós não tivemos dúvida nenhuma do que fazer: encontrar o dono. Encontramos (...), já entramos em contato com ele e estamos devolvendo o dinheiro para quem de fato é o dono", contou o parlamentar no vídeo.

A reportagem ainda não conseguiu contato com Dutra.

Campo obrigatório