Meteorologia

  • 18 AGOSTO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Embaixador do ecoturismo de Bolsonaro acumula infrações ambientais

O novo embaixador do ecoturismo, Richard Rasmussen, já foi autuado pelo Ibama em dez infrações sobre fauna

Embaixador do ecoturismo de Bolsonaro acumula infrações ambientais
Notícias ao Minuto Brasil

11:30 - 05/08/19 por Folhapress

Brasil famoso

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Famoso pelas aventuras na selva e interações com animais exóticos, o apresentador de TV Richard Rasmussen foi autuado pelo Ibama em dez infrações sobre fauna. Na última sexta-feira (2), ele foi anunciado pelas redes sociais do presidente Bolsonaro como embaixador do turismo no Brasil, com ênfase no ecoturismo. 

O total das multas, aplicadas entre 2002 e 2009, é de R$ 263,1 mil reais e correm em processos separados na Justiça. A maior multa recebida pelo apresentador, de R$ 144 mil, data de 2004, por dar destinação ou permutar espécime silvestre sem autorização do órgão responsável.

A maioria das autuações aconteceu em Carapicuíba, interior de São Paulo, onde Rasmussen mantinha um criadouro sem comprovação de origem dos animais e com suspeitas de tráfico. O espaço foi fechado pelo Ibama em 2005.

Em apelação ao Ministério Público Federal, o Ibama relata que, em uma vistoria feita em 2004, "faltavam diversos animais que constavam da fiscalização anterior, existindo outros que não constavam, vários micos-estrela estavam mortos na sala de atendimento veterinário e um morto no recinto, cães circulavam livremente no recinto de diversas aves e saguis, filhotes de onça eram mantidos em canil, entre outras irregularidades".

O resumo da apelação lista os "seguintes danos causados à fauna: elevado número de morte de animais devido às más condições do criadouro; maus tratos, diante das condições de insalubridade, fugas, mortes por predadores, falta de cuidados veterinários e devida alimentação; nas recorrentes fugas de animais já acostumados à vida em cativeiro, sem o acompanhamento de sua devida reinserção na natureza; nos indícios de ainda maior número de mortes, fugas ou venda a pessoa sem condições de receber animais, diante da ausência de documentos de destino dos animais desaparecidos; na recepção de animais apanhados na natureza, por não haver documento comprobatório de origem lícita; nos danos causados aos ecossistemas nacionais pela introdução de espécimes exóticas". 

Rasmussen foi procurado pela Folha, mas não retornou o contato até a publicação desta reportagem.Em uma conversa com internautas promovida pelo UOL em 2008, Rasmussen admitiu que os funcionários do criadouro não mantinham registros sobre as doações de animais que recebiam ou sobre os animais que faleciam no criadouro, que, ainda segundo ele, não tinha um veterinário. No bate-papo, ele também reclama da falta de auxílio do governo para que os criadouros tenham receita.

A primeira multa do Ibama veio no mesmo ano em que Rasmussen foi para a televisão, em 2002, para segurar nas mãos um sapo que seria beijado e transformado em príncipe. A atração fazia parte do Programa do Faustão. Logo depois, ele emplacou quadros na TV Record e ganhou seu próprio programa nos canais SBT, Net Geo e Bandeirantes. 

No entanto, o que o levou à fama até fora do país foi um curto vídeo que viralizou pela internet e virou meme. Nele, o apresentador está de costas para o fenômeno da pororoca, na foz do rio Araguari (AP), quando anuncia com os braços erguidos, segurando um bastão, "a onda mais longa do planeta Terra". Ao virar de frente para a onda e perceber sua aproximação rápida, o apresentador foge correndo às pressas. O episódio o tornou conhecido como Pororoca. 

Como embaixador, o biólogo terá a missão de divulgar o Brasil no exterior como destino ecoturístico, participando de eventos internacionais como palestrante. Ele também disponibilizou para o governo federal todo seu acervo de imagens. 

O conteúdo, no entanto, é criticado por biólogos e especialistas em conservação, que vêem nas imagens indícios de perturbação e maus tratos à fauna silvestre. O biólogo já teve um pedaço do dedo médio da mão direito arrancada por um jacaré em gravações para o canal Nat Geo em 2015, no Pantanal. O histórico da produção do programa é permeado de críticas e depoimentos sobre maus tratos com animais, como a manutenção de espécies presas em cativeiro para gravação e realização de simulações de resgates –exibidas como se fossem resgates reais. 

Especialistas também questionam a ética na interação com os animais e a ausência de autorizações de órgãos ambientais para a intervenção na fauna silvestre.A despeito do seu histórico com órgãos ambientais, Rasmussen defende em um artigo em seu site que a caça de animais silvestres poderia ser autorizada por licenças ambientais, sob um valor que seria revertido em ações de conservação. Rasmussen cursou biologia após ter recebido críticas, quando já era apresentador, por não ser especialista na área. Sua primeira formação é em economia. Antes da fama, trabalhou em grandes empresas como auditor de fraudes. 

Em 2014, o apresentador foi acusado de fraude por pescadores da Amazônia. Eles alegam, em depoimento registrado pelo documentário Below The River (Rio abaixo, em tradução livre), que teriam recebido cem reais do apresentador para que matassem um boto. As imagens foram exibidas como denúncia no programa Fantástico (Globo) e levaram à proibição da pesca de piracatinga, para qual o boto era comumente usado como isca na Amazônia.

"É primeira vez que um governo abre as portas para que todo o meu material, colhido em todo o Brasil, seja utilizado em prol de um bem maior: que é disseminar este rico e brilhante País. A nossa chave é o ecoturismo e o turismo é uma grande ferramenta de conservação", disse Rasmussen em publicação na página da Embratur. 

Na quarta-feira (31), o apresentador havia se reunido com o secretário de ecoturismo do Ministério do Meio Ambiente, André Germanos, com o presidente da Embratur, Gilson Machado, e ainda a deputada federal Carla Zambelli (PSL), apontada como articuladora da nomeação. Sem declarar voto em Bolsonaro, Rasmussen publicou posicionamento próximo a apoiadores do governo ao criticar nas suas redes sociais o fato de Roger Waters ter feito declarações políticas em seu show no Brasil, dizendo-se decepcionado com o artista.

Campo obrigatório