Meteorologia

  • 20 SETEMBRO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Venezuelanos usam rota clandestina para comprar comida no Brasil

A divisória, que reabre nesta segunda-feira (21), às 6h, está bloqueada por causa das eleições que ocorrem no país neste domingo (20)

Venezuelanos usam rota clandestina para comprar comida no Brasil
Notícias ao Minuto Brasil

11:40 - 20/05/18 por Notícias Ao Minuto

Brasil fronteira fechada

Por causa das eleições para presidente na Venezuela, neste domingo (20), a fronteira entre o país e o Brasil teve que ser bloqueada. Para comprar comida e remédio, venezuelanos têm usado, desde a noite de sexta-feira (18), data em que a divisória foi interditada, outros meios clandestinos para ter acesso à nação brasileira. A divisória só será reaberta às 6h desta segunda-feira (21).

Segundo informações do G1, no lado venezuelano da BR-174, que interliga os dois países, somente o tráfego de veículos estava paralisado nesse sábado (19). Horas depois, até o acesso a pé foi interrompido, seja entrando ou saindo da Venezuela. Esse foi um do motivos que fizeram com que imigrantes utilizassem rotas clandestinas entre Roraima e o país governado por Nicolás Maduro.

+ Em 4 meses, casos de chikungunya no RJ são o dobro do apontado em 2017

À procura de alimentos, o venezuelano Carlo Quintano, 50 anos, foi ao Brasil e atravessou a pé de volta para o país de origem. "Precisamos de comida, e se não nos deixam passar pela fronteira, vamos por aqui. Temos que recorrer ao Brasil para não morrer de fome", disse Carlo Quintano.

Fronteira bloqueada

A determinação foi do próprio presidente Maduro, que decidiu interditar a divisa entre países. Questionado sobre o porquê do boqueio, o cônsul-adjunto da Venezuela em Roraima, José Martí Uriana, explicou que a medida de fechar a fronteira é adotada sempre que ocorrem eleições no país como forma de segurança durante o pleito.

"A República Bolivariana da Venezuela, cada vez que tem um processo eleitoral, fecha a fronteira para resguardar a soberania territorial e também para que as Forças Armadas controlem todo território nacional, e isso inclui a fronteira", explicou.

Campo obrigatório