Meteorologia

  • 23 JANEIRO 2019
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Temer libera crédito para tentar conter greve de servidores em Roraima

A ideia é que o montante de R$ 200 milhões, disponibilizado por meio de uma medida provisória, seja usado para quitar a folha de pagamento estadual, que acumula atrasos de até três meses

Temer libera crédito para tentar conter greve de servidores em Roraima
Notícias ao Minuto Brasil

18:30 - 11/12/18 por Folhapress

Brasil INTERVENÇÃO

O presidente Michel Temer anunciou nesta terça-feira (11) a abertura de um crédito especial de R$ 200 milhões para tentar conter a paralisação de servidores da segurança pública em Roraima.

A ideia é que o montante, disponibilizado por meio de uma medida provisória, seja usado para quitar a folha de pagamento estadual, que acumula atrasos de até três meses.

A previsão é de que a iniciativa seja publicada no "Diário Oficial da União" e enviada ao Congresso Nacional ainda nesta terça-feira (11).

+ Em posse com Moro, novo presidente do TCU agradece a Lula e é aplaudido

O socorro financeiro foi fechado após reunião, no Palácio do Planalto, entre o presidente e o interventor federal e governador eleito de Roraima, Antonio Denarium.

No encontro, o futuro governador chegou a pedir uma ampliação do valor para R$ 500 milhões com o objetivo de quitar dívidas com o pagamento de merenda, transporte e medicamentos.

"Solicitamos também que esse valor fosse ampliado porque Roraima tem hoje uma dívida corrente líquida de mais de R$ 2 bilhões", disse.

A solicitação, contudo, foi negada pelo presidente, que alegou impedimentos orçamentários. "Neste governo, está totalmente fora de cogitação", afirmou o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha. 

A expectativa do Palácio do Planalto é de que a medida provisória seja aprovada, e a folha de pagamento, quitada até o Natal.

Em entrevista após o encontro, Denarium disse que Roraima passa por uma situação de caos econômico e social.

Ele disse que pedirá ao próximo presidente, Jair Bolsonaro, que a intervenção federal se estenda até o final de fevereiro nas áreas de segurança e fazenda.

"Nós solicitamos uma intervenção por um prazo mais longo como forma de alocar os recursos do governo e que sejam aplicados de forma a atender toda a população", disse.

Após ser desautorizado por Temer, Denarium lembrou que tratados internacionais impedem o fechamento da fronteira com a Venezuela. Ele defendeu, contudo, um controle "mais rígido e eficaz".

"É importante lembrar que eles estão entrando como refugiados. Mas, junto com os bons, entram os ruins também", afirmou.

Na saída da reunião, Padilha afirmou que, até o final do ano, cerca de mil venezuelanos serão levados para outros estados do país, somando quatro mil desde o início da crise migratória. Com informações da Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório