Meteorologia

  • 12 DEZEMBRO 2017
Tempo
10º
MIN 10º MÁX 10º

Edição

'Tive medo de desmaiar e de me jogarem no rio', diz ator agredido

Diogo Cintra teve o celular e a carteira roubados pelos agressores, que ainda não foram identificados pela polícia

'Tive medo de desmaiar e de me jogarem no rio', diz ator agredido
Notícias ao Minuto Brasil

05:50 - 20/11/17 por Folhapress

Justiça VIOLÊNCIA

O ator Diogo Cintra, 24, foi confundido com um assaltante por seguranças do Terminal Dom Pedro II, que se recusaram a ajudá-lo enquanto era agredido por cinco homens.

Ele teve o celular e a carteira roubados pelos agressores, que ainda não foram identificados pela polícia. Neste sábado (18), funcionários do terminal foram afastados até que sejam concluídas as investigações sobre esse caso de racismo e de agressão.

O ator Diogo Cintra, 24, contou à reportagem o que ocorreu na semana passada.

+ PM de folga enfrenta assaltantes com o filho no colo e mata dois em SP

"Era madrugada de quarta-feira (15) e eu estava voltando para casa, no Capão Redondo [periferia na zona sul de SP], depois de mais uma apresentação da peça em que atuo há cerca de um mês. Como é inspirada em textos de Charles Bukowski, a encenamos em um bar-karaokê na rua Augusta para combinar com o estilo boêmio do escritor. É comum o elenco se reunir em volta do balcão depois que a plateia vai embora. Não costumo ficar, mas, como era véspera de feriado, fiquei.

Estava a pé quase chegando ao terminal Parque Dom Pedro II, para pegar um dos três ônibus até a minha casa, quando fui abordado por dois homens. Eles perguntaram o que eu tinha para lhes dar e logo percebi que se tratava de um assalto. Como estava perto do terminal, vi que dava para correr em busca de segurança. Foi o que fiz.

Ao passar a catraca, pedi ajuda a uma vigilante, disse que estava sendo assaltado, e ela respondeu: 'Só corre'.

Apareceram mais três homens com paus nas mãos e três cachorros. Eles disseram aos seguranças que eu tinha tentado assaltá-los. Eu insistia que não havia feito nada, mas não tinha poder de fala diante dos agressores. Eles convenceram os funcionários do terminal que eu devia pagar pelo roubo, apesar de nunca o ter cometido.

Os seguranças olharam impassíveis quando os homens me pegaram pelo braço e me levaram para fora, em direção ao rio Tamanduateí, que passa lá do lado.

Já era começo da manhã e havia outros passageiros nas plataformas, mas ninguém me ajudou. O mais curioso é que um dos seguranças também era negro e, mesmo assim, acreditou na versão dos homens, só por causa da minha cor de pele.

Quando me vi sendo arrastado para fora do terminal, entrei em desespero e comecei a me debater. Tive certeza que eles iam me espancar até desmaiar e, depois, me jogar no rio. Tive muito medo de morrer.

Começaram as agressões. Tomei socos pelo corpo todo e pauladas na cabeça. Gritava e implorava para que parassem, mas eles continuavam com as agressões e os xingamentos. Ofereci que levassem meu celular, na tentativa de me livrar daquela situação, mas não adiantou. Eles roubaram minha carteira também.

Em um momento, me deixaram correr, mas soltaram os cachorros para cima de mim. Tomei diversas mordidas nas pernas, braços e pés. Os cachorros até arrancaram meu sapato. Não sei dizer quanto tempo tudo isso durou. Uma moça que fazia parte do grupo espantou os cachorros e pediu para pararem de me bater. Finalmente, me deixaram ir.

De volta ao terminal, os mesmos seguranças me abordaram e disseram que iam me levar até um posto de saúde. Me recusei a acompanhá-los e entrei no ônibus que seguiria para o terminal Pinheiros.

Eu já estava dentro do coletivo e os funcionários insistiam para que eu saísse e os seguisse para receber atendimento médico. Estava apavorado e pedi aos outros passageiros que fizessem alguma coisa caso fosse arrancado de lá a força.Percebi que dois homens assentiram com a cabeça, e o ônibus finalmente partiu da plataforma.

Não sei como, mas consegui chegar até o apartamento de um amigo que mora na avenida Brigadeiro Luís Antônio. Estava só com um pé calçado e o rosto todo ensanguentado. Ele me levou até um hospital, onde fui medicado e tomei injeção anti-inflamatória por causa das mordidas. Depois, fomos até a delegacia para registrar o boletim de ocorrência.

Ainda não consigo andar direito por causa das mordidas que tomei no pé. Aos poucos estou me recuperando dos ferimentos, mas ainda estou muito assustado.

Quero voltar ao palco na próxima terça-feira e seguir com minha vida. O que mais importa é que eu saí vivo, poderia estar morto agora.

Sou ator profissional há quatro anos graças à minha mãe, que trabalha como cuidadora de uma idosa e me ajudou a pagar os quatro anos de curso de teatro. Tive ajuda também de um ex-patrão, quando era estagiário no Hospital do Câncer, que arcou com as mensalidades depois que minha mãe ficou desempregada.

Já vivi outras situações de racismo, mas nunca com tanta violência. Quando vou a grandes supermercados, percebo que os seguranças ficam de olho em mim.

Um dia, tive que ir a uma livraria no shopping Iguatemi retirar um livro e aconteceu a mesma coisa.

Fiquei constrangido e pedi a um amigo branco para me acompanhar quando tive que voltar lá para buscar outro livro.

Vou registrar boletim de ocorrência por racismo contra os seguranças do terminal. O negro foi libertado da escravidão, mas não inserido na sociedade.

Fomos jogados para as periferias. Hoje em dia temos mais direitos, o racismo é crime, mas não quero viver só de direitos.

Quero poder ir ao supermercado e não receber olhares mal-encarados."

AFASTAMENTO

Diante da repercussão do caso, a Secretaria Municipal de Transportes da gestão João Doria (PSDB) anunciou neste sábado à tarde, quatro dias após a ocorrência, o afastamento dos funcionários envolvidos no caso. Antes disso, a pasta afirmou apenas que estava colaborando com as investigações.

O SPUrbanuss, sindicato patronal do sistema de ônibus de São Paulo e responsável pela gestão do terminal, disse que somente irá se pronunciar após ouvir a versão da empresa responsável por contratar e gerir a equipe de atendimento do terminal. Na noite deste domingo (19), o ator voltou às redes sociais para agradecer o apoio que recebeu. "Eu só gostaria de ter pelo menos um terço dessas pessoas [que me apoiaram] no terminal aquele dia", escreveu.

Questionada sobre a busca dos agressores, a Secretaria da Segurança Pública do governo Geraldo Alckmin (PSDB) afirmou apenas que a Polícia Civil instaurou inquérito para investigar o caso e que a vítima será ouvida nos próximos dias. As imagens das câmeras do terminal, segundo a pasta, estão sendo analisadas para a identificação dos autores das agressões. Com informações da Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório