Meteorologia

  • 28 SETEMBRO 2021
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Presidente da Tunísia suspende Parlamento e destitui primeiro-ministro

Em nota à imprensa, o presidente afirma que "muitos foram enganados pela hipocrisia, traição e roubo dos direitos do povo"

Presidente da Tunísia suspende Parlamento e destitui primeiro-ministro
Notícias ao Minuto Brasil

06:57 - 26/07/21 por Folhapress

Mundo TUNÍSIA-GOVERNO

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em uma forte escalada nas tensões políticas na Tunísia, o presidente do país árabe, Kais Saied, suspendeu as atividades do Parlamento e destituiu o primeiro-ministro neste domingo (25).

O gesto foi classificado de golpista pelo chefe do Parlamento, Rached Ghannouchi, por atentar contra a revolução e a Constituição promulgada em 2014.

Saied declarou que irá assumir o mais alto cargo do Executivo com a assistência de um novo primeiro-ministro, em um desafio à carta constitucional, que estabelece a divisão de poderes entre presidente, primeiro-ministro e Parlamento. Na Tunísia, a autoridade do presidente se limita às relações exteriores e à área militar.

Em nota à imprensa, o presidente afirma que "muitos foram enganados pela hipocrisia, traição e roubo dos direitos do povo". Saied também alertou que os militares do país irão responder a qualquer reação armada às suas decisões também com armas. "Se alguém atirar, as Forças Armadas irão atirar de volta", afirma.

Nas últimas semanas, o país registrou uma série de protestos contra o primeiro-ministro Hichem Mechichi (agora destituído) e Ghannouchi, ambos filiados ao Enahda, partido moderado islâmico que tem maioria no Parlamento tunisiano.

Durante os protestos, as sedes do Enahda nas cidades de Sfax, Monastir, El Kef e Sousse foram invadidas por manifestantes.

As manifestações são reflexo da atual gestão da pandemia da Covid-19, bem como das contínuas crises econômicas sofridas pelo país desde a Primavera Árabe, em 2011, quando uma onda de protestos levou à queda do então ditador, Zine el-Abidine Ben Ali, e à mudança de regime para uma democracia.

Cada vez mais insatisfeitos com o índice de desemprego e a precariedade dos serviços públicos, os tunisianos voltaram às ruas dez anos após a revolução para pedirem a dissolução do Parlamento e a renúncia do primeiro-ministro, o que evidencia que a democracia está sendo questionada no país.
Além de acusar o presidente Saied de tentar um golpe, Ghannouchi, também líder do Enahda, afirma que as instituições continuam funcionando no país e que "apoiadores do Enahda e do povo tunisiano continuarão defendendo a revolução [de 2011]."

Campo obrigatório