Meteorologia

  • 21 MAIO 2018
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

França diz que está disposta a discutir um novo tratado com Irã

É uma mudança completa de rumo, depois de Emmanuel Macron afirmar que 'não havia plano B'

França diz que está disposta a discutir um novo tratado com Irã
Notícias ao Minuto Brasil

15:56 - 24/04/18 por Folhapress

Mundo mudança de rumo

O americano Donald Trump parece ter dobrado o presidente francês: nesta terça-feira (24), em meio à troca de abraços, elogios e calorosos tapinhas nas costas do republicano, o mandatário da França, Emmanuel Macron, declarou que está disposto a discutir um novo acordo nuclear com o Irã.

"Nós queremos trabalhar a partir de agora em um novo acordo para o Irã", disse Macron, durante uma entrevista na Casa Branca.

Leia também: Suspeito de ataque em Toronto é indiciado por dez homicídios

É uma mudança completa de rumo, depois de o francês afirmar que "não havia plano B" para o Irã e que a melhor opção era a atual.

"As pessoas podem facilmente mudar de opinião", disse Macron. "Nós discordamos em relação ao atual acordo, mas estamos superando essa diferença ao decidir trabalhar juntos rumo a um novo pacto."

Para ele, as novas negociações devem contemplar soluções para a estabilidade política do Oriente Médio, incluindo a situação da Síria, que vive uma guerra civil há sete anos e que deve precisar de esforços de reconstrução em breve.

O francês, porém, defende que o atual acordo continue de pé, e que um novo tratado contemple o período após 2025, quando a maior parte das atuais disposições expira.

"Não é que vamos rasgar e começar do zero, mas vamos construir algo novo que contemple todas as nossas preocupações", afirmou Macron.

HISTÓRICO

O atual acordo, que impõe travas ao programa nuclear do Irã em troca de alívio nas sanções internacionais, foi costurado em 2015, pelo então presidente americano Barack Obama e pelos líderes do Irã, França, Reino Unido, Alemanha, China e Rússia.

Macron defende a importância do atual acordo e alertou nesta semana que, se os EUA ou outros países deixarem o pacto, pode haver repercussões na estabilidade política da região.

Mas o francês disse nesta terça que o país "não é ingênuo" em relação ao tema e que não quer cometer os mesmos erros do passado -pedindo que as negociações incluam o fim dos testes nucleares pelo Irã.

Trump, um dos principais críticos do acordo, abraçou Macron ao final do pronunciamento do francês e disse: "Eu gosto muito dele".

"Nós temos muito em comum. Nós podemos mudar, ser flexíveis. Na vida, é preciso ser flexível", declarou o republicano. "A França é um grande país, e será elevada a novas alturas com esse presidente."

O americano insistiu que outros países do Oriente Médio contribuam para uma eventual reconstrução da Síria, e voltou a criticar duramente a atual negociação com o Irã. Os EUA ameaçam deixar o acordo caso nada seja alterado.

Ele ainda afirmou que, se o Irã continuar a ameaçar os EUA, "vai pagar um preço que poucos países jamais pagaram".

Trump e Macron deixaram o salão abraçados, apoiando as mãos nas costas um do outro.

O francês faz a primeira visita de Estado de um líder estrangeiro nos EUA desde a eleição de Trump, em novembro de 2016. Ele ficará no país por três dias. Com informações da Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório