Meteorologia

  • 24 JUNHO 2018
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Rússia rebate acusação sobre ataque contra voo MH17

Avião levava 298 pessoas e foi abatido na Ucrânia em 2014

Rússia rebate acusação sobre ataque contra voo MH17
Notícias ao Minuto Brasil

16:31 - 25/05/18 por Ansa

Mundo acidente

O governo da Rússia negou nesta sexta-feira (25) que o voo MH17, da Malaysia Airlines, tenha sido derrubado por um míssil que pertencia às forças militares do país, como aponta um relatório de investigadores da Holanda.   

Segundo Moscou, o inquérito não teve participação russa, embora tenha tido integrantes da Ucrânia. "Naturalmente, não tendo a possibilidade de participar plenamente das investigações, a Rússia não sabe até que ponto pode confiar nos resultados deste trabalho", declarou o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov.   

Já o presidente Vladimir Putin afirmou que há "versões diferentes sobre a tragédia que não são levadas em consideração". De acordo com a tese russa, o MH17, que ia de Amsterdã, na Holanda, a Kuala Lumpur, na Malásia, teria sido abatido por um míssil "ar-ar" disparado por um caça ucraniano.   

+Morre segunda sobrevivente de acidente aéreo em Cuba

Já os investigadores australianos e holandeses culpam um míssil "terra-ar" fabricado pela Rússia. O foguete teria sido disparado de um sistema levado para solo ucraniano pouco antes do ataque e que logo depois retornou ao território russo.   

Moscou alega que o número de série presente no propulsor do míssil mostra "inequivocamente" que o armamento foi produzido em 1986, na então União Soviética, e não poderia fazer parte do arsenal russo por causa de sua idade.

O relatório holandês deve motivar a abertura de um processo na Justiça. "A União Europeia pede que a Rússia aceite as próprias responsabilidades e coopere plenamente", declarou a alta representante da UE para Política Externa, Federica Mogherini.

O mesmo discurso foi adotado pela Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN).  O Boeing 777 levava 298 pessoas a bordo e caiu no leste da Ucrânia, que é palco de conflitos entre separatistas pró-Rússia e as forças de Kiev, em julho de 2014. (ANSA)

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório