Meteorologia

  • 06 DEZEMBRO 2021
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Novo vai às redes dizer que 'não há decisão formada' sobre impeachment

O ex-presidente da sigla João Amoedo, que já se colocou de forma favorável à abertura do processo de impeachment contra Bolsonaro

Novo vai às redes dizer que 'não há decisão formada' sobre impeachment
Notícias ao Minuto Brasil

12:50 - 29/01/21 por Estadao Conteudo

Política Impeachment

Após o governador do Estado de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), se posicionar contra o processo de impeachment do presidente Jair Bolsonaro ao dizer ser "contrário à posição do partido", o Novo foi às redes sociais esclarecer o "mal-entendido" gerado pelo dirigente e disse que "não há decisão formada sobre o impeachment".

Durante entrevista à Rádio 98FM na quarta-feira, 27, Zema afirmou que, apesar de não concordar com tudo o que o presidente faz - citando a condução de Bolsonaro diante dos problemas gerados pela pandemia e a questão da vacinação no Brasil -, ele não era a favor da abertura de um processo de impeachment. "Eu vi a posição do partido, e sou contrário à ela", afirmou Zema.

Leia Também: Bolsonaro licencia ministros Onyx e Tereza Cristina para reforçar votos a Lira

Após a entrevista, o ex-presidente da sigla João Amoedo, que já se colocou de forma favorável à abertura do processo de impeachment contra Bolsonaro, comentou a fala de Zema, e comemorou o que achou ser a posição oficial do partido. "Com base nessa afirmação do Zema, parabenizo o Novo pela decisão tomada a favor do impeachment. O partido não pode compactuar com crimes de responsabilidade cometidos pelo presidente", publicou.

Com a repercussão, o partido Novo foi ao Twitter esclarecer o "mal-entendido" e disse que, "caso decida pelo impeachment, o Novo notificará da forma adequada seus filiados pelos seus canais oficiais". A bancada do partido na Câmara conta com oito deputados, e parece que ainda não tem uma posição fechada com relação ao tema. O deputado Vinicius Poit (SP), por exemplo, defendeu em publicação que "não basta só a vontade política de seguir com o processo de impeachment do Presidente. É preciso ter justificativa jurídica concreta", disse.

Leia Também: Após encontro com Bolsonaro, Naiara Azevedo e Sorocaba negam apoio ao presidente

Campo obrigatório