Meteorologia

  • 26 ABRIL 2018
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Temer pede ao STF acesso à decisão sobre delação de Funaro em inquérito

Depoimento do doleiro foi anexado o processo que investiga presidente da República em esquema de propina envolvendo a Odebrecht

Temer pede ao STF acesso à decisão sobre delação de Funaro em inquérito
Notícias ao Minuto Brasil

09:45 - 21/03/18 por Notícias Ao Minuto

Política Estratégia

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou, nessa terça-feira (20), a inclusão do depoimento do doleiro Lúcio Funaro no inquérito que investiga o presidente Michel Temer sobre o suposto favorecimento da Odebrecht, pela antiga gestão da Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República.

Entre 2013 e 2015, o órgão foi dirigido pelos atuais ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco. Ambos já são investigados no caso. De acordo com depoimento de delação premiada do ex-executivo da Odebrecht Claudio Melo Filho, houve um jantar no Palácio do Jaburu, em maio de 2014, para tratativas de um repasse de R$ 10 milhões em propina, como forma de ajuda de campanha para o MDB. Temer também estava presente.

Para incluir o depoimento de Funaro na investigação, Fachin atendeu à recomendação da procuradora-geral da República, Raquel Dodge.

Logo após a determinação do ministro, Temer recebeu o advogado Brian Alves Prado, no Palácio do Planalto, e decidiu pedir acesso às decisões sigilosas tanto de Fachin quanto de Dodge relacionadas ao processo.

Prado substitui Antonio Claudio Mariz no caso, já que o criminalista defendeu Funaro no passado.

+ Ministros querem rever 2ª instância e sessão de hoje pode ser decisiva

Em sua delação, Funaro, que é apontado pelos investigadores como operador finaceiro do MDB, disse que o ex-ministro Geddel Vieira Lima (MDB-BA) pediu a ele, em 2014, que retirasse R$ 1 milhão no escritório do amigo e ex-assessor especial do presidente José Yunes, em São Paulo, e enviasse o dinheiro para Salvador. As informações são do blog da Andreia Sadi, no portal G1.

Ainda conforme o operador financeiro, esse dinheiro era referente a doação, via caixa 2, da construtora Odebrecht. Ele acrescentou que, de acordo com Geddel, o repasse foi acertado com Temer e Eliseu Padilha.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório