Meteorologia

  • 23 SETEMBRO 2020
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

DC Comics debocha de Jair Bolsonaro em novo quadrinho do Batman

Novo Batman de Frank Miller e Rafael Grampá tem Trump e Bolsonaro

DC Comics debocha de Jair Bolsonaro em novo quadrinho do Batman
Notícias ao Minuto Brasil

11:00 - 12/12/19 por Folhapress

Cultura Quadrinhos

FOLHAPRESS - O quadrinho é do Batman, mas a protagonista não é Batman. Há uma nova Batwoman, que se une aos filhos de Superman e Mulher-Maravilha. Mas os personagens que chamam atenção em "Dark Knight Returns: The Golden Child" estão do lado dos vilões: Donald Trump e Jair Bolsonaro.

Na edição especial, lançada esta semana nos EUA, nenhum dos políticos é identificado pelo nome. Trump é "o Governador" em campanha pela reeleição -como o Trump do mundo real. Bolsonaro é "JM. Bozo", ou assim se identifica numa versão do Twitter onde escreve: "Se dependesse de mim, todo cidadão de bem teria arma em casa."

Sim, é um quadrinho do Batman e, para desespero de uma grande parcela de fãs, fala de política. Até a "pirralha" Greta Thunberg faz uma ponta.

Mas não espere uma discussão aprofundada sobre o neofascismo. Apesar de não ter super-herói dando murro em presidente, a mensagem lembra os gibis inocentes e rasos dos anos 1940.

No mundo de "Golden Child", a campanha pela reeleição de Trump é administrada pelo Coringa e seus minions, com apoio do vilão mais poderoso da DC, Darkseid. De onde saíram as últimas eleições e a polarização? São as forças cósmicas do Mal manipulando mentes, oras.

É uma alegoria, mas uma alegoria rasa e um tanto confusa. Na trama, Batwoman e seu exército bat-black-bloc comandam o levante contra Coringa e seus minions pró-Trump. Os superpoderosos Jonathan e Lara Kent ajudam, já que só eles são páreo para Darkseid.

A edição começa com os super-irmãos comentando como a humanidade é patética. "Eles estão sempre em colapso", diz Lara enquanto observam um hospital. "Eles comem. E comem. Nunca param de comer." Por que ela está salvando os humanos na página seguinte? O discurso misantrópico fica solto.

De onde saiu o novo Coringa, que já teve duas versões mortas em outras "Cavaleiro das Trevas"? Não se sabe.

Por onde andam Batman, Superman e outros heróis? Ok, se entende que é um quadrinho sobre a nova geração. Carrie Kelley, a ex-Robin, está com novo uniforme e identidade. Ela solta frases de efeito em pequenos tiros, tal como Batman. Não faz muito mais que isso.

O chamariz de "The Golden Child" é a colaboração entre Frank Miller, autor dos maiores sucessos de Batman nos quadrinhos -além de "Sin City", "300 de Esparta" e outros-, com o premiado ilustrador brasileiro Rafael Grampá ("Mesmo Delivery").

Miller fez muito por dispensar os roteiros rasos e fantasiosos nos gibis de super-heróis, principalmente com a primeira "Cavaleiro das Trevas", nos anos 1980. Em trabalhos mais recentes, como a terceira Cavaleiro, tem demonstrado um reencantamento com os supers - que veio a tiracolo com roteiros menos aprofundados.

Grampá tenta emular o desenho de Miller nas primeiras páginas de "Golden Child". Há outras homenagens, como uma bela página do Coringa com luzes coloridas que lembra "American Flagg", de Howard Chaykin. Há easter eggs: quando há manifestantes anti-Trump, eles carregam um cartaz que diz "Not Him Again" com o mesmo design do "Ele Não" do cearense Militão Queiroz, que circulou nas redes sociais.

O estilo de desenho, porém, varia tanto ao longo da edição -nem sempre como opção narrativa- que fecha com a inconstância no roteiro. Mesmo nas três vezes em que Grampá usa splash pages -recurso que Miller é mestre em orquestrar, mesmo quando só escreve- elas parecem sub-aproveitadas. Por outro lado, cenas de batalha nas ruas, hiperdetalhadas, pediam mais espaço.

A impressão é de que "Golden Child" ficou comprimida, como se faltassem páginas para desenvolver a trama e dar respiro para a narrativa gráfica. Tudo parece apertado nas 48 páginas.

De qualquer modo, a edição já é líder de vendas nas lojas de gibis dos EUA. E uma de suas imagens de divulgação foi usada por manifestantes pró-democracia em Hong Kong, que se identificaram com a Batwoman jogando um suposto coquetel molotov (que não é um coquetel molotov, como a história revela), o dourado do título e a frase "o futuro é jovem".

O significado que os manifestantes deram à imagem é maior, porém, do que qualquer significado que se encontra nas páginas da HQ.

DARK KNIGHT RETURNS: THE GOLDEN CHILD

Autor Frank Miller (roteiro), Rafael Grampá (desenhos), Jordie Bellaire (cores), John Workman e Deron Bennett (letras)

Editora DC Comics

Preço US$ 5,99 (R$ 24,60), 48 págs.

Avalição Regular

Campo obrigatório