Meteorologia

  • 16 JULHO 2018
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Subasic, o herói 'sérvio' que defende a pátria croata

Goleiro presenciou preconceito antes de virar ídolo

Subasic, o herói 'sérvio' que defende a pátria croata
Notícias ao Minuto Brasil

21:50 - 13/07/18 por ANSA

Esporte Conheça o goleiro

Danijel Subasic, 33 anos, é um dos heróis da histórica campanha que levou a Croácia à final da Copa do Mundo pela primeira vez. Com os pênaltis defendidos contra Dinamarca e Rússia, o goleiro do Monaco ajudou a colocar seu país a um passo de um título inédito.

Para chegar tão longe, Subasic não teve de enfrentar apenas a já dura concorrência com os milhares que tentam a sorte no futebol, mas também o nacionalismo que transformou os Bálcãs em um caldeirão de conflitos nos anos 1990 e que é propagado inclusive por companheiros de seleção.

Nascido em Zadar, na antiga Iugoslávia e hoje pertencente à Croácia, o goleiro é filho de mãe croata católica e de pai também croata, mas ortodoxo e chamado Jovo, religião e nome que remetem imediatamente ao povo sérvio.

Na guerra de independência da Croácia, em 1991, Subasic passou parte de seus seis anos de idade vendo nacionalistas destruindo e saqueando lojas de sérvios, sem entender por que consideravam sua família culpada pelas bombas que Belgrado despejava sobre sua própria terra.

O conflito terminou, mas o sentimento nacionalista continuou encontrando solo fértil nos Bálcãs, divididos ainda pelas sangrentas guerras na Bósnia e no Kosovo. Segundo reportagem do jornal croata "Jutarnji list", de Zagreb, o sogro de Subasic ameaçou degolar a filha, já em meados da década de 2000, quando soube que ela namorava o filho de um "sérvio".

Na época, Subasic já era goleiro profissional e atuava pelo clube de sua cidade, o Zadar. "Eu não sei quantas vezes tenho de dizer que sou croata e católico. A Croácia é minha terra natal, e Zadar é minha cidade", disse, em uma entrevista concedida em 2007, antes de chegar ao estrelato.

Nacionalismo

A Copa do Mundo, com sua ode aos países, hinos e bandeiras, é um dos palcos mais propícios para exibir um nacionalismo que, muitas vezes, resvala no fascismo. Dejan Lovren, zagueiro do Liverpool e da Croácia, fugiu com a família da Bósnia para a Alemanha quando tinha apenas dois anos, em meio à carnificina que deixaria cicatrizes ainda visíveis em um dos países mais pobres e ingovernáveis da Europa.

De etnia croata, mais tarde encontrou abrigo no país que hoje defende. Após a vitória sobre a Argentina na primeira fase, em um país historicamente aliado da Sérvia, a Rússia, Lovren celebrou nos vestiários cantando a música "Bojna Cavoglave", da banda Thompson, ícone da extrema direita croata e cujos versos fazem alusão aos "Ustase", fascistas que comandaram o país durante a Segunda Guerra Mundial e colaboravam com Hitler e Mussolini.

Para os croatas, é justamente a noção de pátria que os levou até a final. "Em relação àquela época [1998, quando a Croácia foi terceira colocada na Copa], é tudo diferente, o futebol mudou muito, a guerra tinha acabado havia pouco tempo, mas é possível traçar paralelos: hoje também há muitos campeões e o grande amor pela pátria, uma conexão mental que outras nações, com todo o respeito, não têm", argumentou o ex-zagueiro da Juventus Igor Tudor, hoje treinador.

Esse sentimento, como também é comum em Copas, é explorado ao máximo pela política. A presidente Kolinda Grabar-Kitarovic, conservadora, é presença frequente nos estádios, sempre com a camisa quadriculada.

O nacionalismo ainda se reflete de outras maneiras: entre os 28 Estados-membros da União Europeia, a Croácia é o terceiro que menos acolhe solicitantes de refúgio ou refugiados em termos proporcionais, apenas 919, o que equivale a 0,02% de sua população de 4,2 milhões de habitantes, segundo dados da ONU.

No próximo domingo (15), a nação forjada pela guerra e pelo patriotismo terá pela frente uma França multiétnica, do sangue árabe de um filho de argelina chamado Mbappé e do "africano" Pogba, descendente de guineenses. Para conquistar o bicampeonato, no entanto, os "Bleus" precisarão superar a barreira "sérvia" que defende a pátria croata. Com informações da Ansa.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Transmissões ao vivo dos jogos dos principais times do Brasileirão!

Veja resultados, notícias, entrevistas, fotos, vídeos e os bastidores do mundo do esporte

Obrigado por ter ativado as notificações do Esporte ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Brasil Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório