Meteorologia

  • 18 OUTUBRO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Mulher que despencou do Hospital Badim diz que não consegue dormir

Gigiane dos Santos usou uma corda feita por lençóis para sair do edifício em chamas. 'Torcendo para que tudo acabe logo', disse a cuidadora ao G1

Mulher que despencou do Hospital Badim diz que não consegue dormir
Notícias ao Minuto Brasil

07:00 - 17/09/19 por Notícias Ao Minuto Brasil

Justiça Acidente

A mulher que despencou do terceiro andar do Hospital Badim ao tentar buscar socorro durante o incêndio que tomou o edifício na última quinta-feira (12) disse ao G1 que não consegue dormir após a tragédia. O episódio deixou 12 pessoas mortas e muitos feridos.

A cuidadora Gigiane dos Santos usou uma corda feita por lençóis para sair do edifício em chamas. Ela gravou um vídeo contando que ainda é difícil falar do episódio e segue o tratamento com medicamentos.

“Estou com dor, a base de medicação. Não consigo ainda relatar de fato as coisas que aconteceram porque dói muito ainda, não consigo dormir direito. No momento em que eu caí, eu fui tentar buscar ajuda de algum jeito”, afirmou na gravação.Veja quem são os mortos em decorrência do incêndio“Sei que foi horrível lá dentro. Uma situação horrível que eu não desejo para ninguém. Agora estou esperando uma operação e torcendo para que tudo acabe logo”, completou a sobrevivente.

Ela disse ainda ao G1 que, ao ficar sabendo do fogo, ela pensava a todo momento que todos iam morrer. Segundo ela, não havia ninguém para auxiliar no socorro dos pacientes.

“Na hora que eu percebi que o hospital estava pegando fogo, veio na minha mente que todo mundo iria morrer. Porque foi muita fumaça, muito rápido. Não tinha ninguém ali para auxiliar, homem, bombeiro. A todo tempo falavam que tinha sido um transformador que tinha queimado e a manutenção já estava resolvendo”, disse Gigiane.

“A todo tempo eu falava ‘a gente vai morrer, a gente vai morrer’ porque era muita fumaça. Pensava só nos meus filhos e que não ia conseguir sair de lá com vida”.

Com informações G1 

Campo obrigatório