Marcado por revelações, termina primeiro dia de julgamento de Elize

Ré confessa, Elize Kitano Matsunaga tenta provar que o crime não foi premeditado, o que abrandaria a sua pena

© Reprodução / TV Globo
Justiça só amanhã 22:46 - 28/11/16 POR Notícias Ao Minuto

O primeiro dia do julgamento de Elize Matsunaga aconteceu nesta segunda-feira (28). Marcado por revelações decisivas, como a compra da serra elétrica feita por Elize, e por muita emoção da ré, ele foi interrompida pelo juiz quando a defesa e a acusação começaram a discutir.

PUB

Ré confessa, Elize Kitano Matsunaga tenta provar que o crime não foi premeditado, o que abrandaria a sua pena.

Nesta primeira sessão, a acusada estava nervosa e chorou algumas vezes. A primeira foi quando as cerca de 200 pessoas autorizadas a assistir à sessão e os jornalistas entrata. Depois, quando Amonir Hercília dos Santos, babá folguista que cobria as folgas da mãe e trabalhava esporadicamente na casa, começou a depor. E, por fim, quando a defesa perguntou se Elize era uma boa mãe e a babá respondeu que sim.

A segunda testemunha a depor foi a babá que trabalhou para o casal por mais de dois anos. Mauriceia José Gonçalves dos Santos não quis falar diante da ré, que foi retirada da sala neste momento. A testemunha passou mal, interrompendo a audiência por 20 minutos. Em seguida, contou detalhes sobre a viagem que fez com Elize e a filha dela para o Paraná. Foi na volta para a casa que Elize teria comprado a serra elétrica.

A babá diz que "ficou cismada" e com receio de que ela fique com raiva dela porque contou da serra.

Luiz Flávio D'urso, advogado dos pais de Marcos, enfatizou em seu discurso após a audiência que a questão da serra elétrica será explorada pela acusação, pois ela é, inclusive, citada por outras testemunhas.

Já Luciano Santoro, advogado de Elize, diz que isto não tem o menor fundamento.

O crime não é premeditado porque ela não usou a serra elétrica. Se o crime era premeditado para ela usar uma serra elétrica, por que ela não usaria? Então, não tem lógica esse argumento da acusação", explicou.

"Vocês viram hoje que isso é absolutamente claro. O próprio detetive disse isso. Uma pessoa que procura um serviço do detetive 'olha, eu sei que o meu marido está saindo com outra pessoa'. De um casamento que já estava falido, eles já não dormiam mais juntos. Ela saiu, programou uma viagem fictícia, para que ele pudesse ficar à vontade para ser fiscalizado, filmado e posteriormente, ela utilizar isso. Ela estava com ódio incontido. Iria perder a vida de princesa", diz o promotor José Carlos Cosenzo.

O detetive William Coelho, contratado por Elize, confirmou que filmou Marcos entrando num restaurante e num hotel com uma amante.

O julgamento será retomado na próxima terça-feira (27), às 9h, quando as testemunhas da defesa serão ouvidas.

Leia mais: Elize comprou serra elétrica na véspera do crime, diz babá

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS

X