Meteorologia

  • 22 MAIO 2018
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Em depoimento, ex-PM nega participação na morte de Marielle

Segundo o miliciano, o delator não tem qualquer credibilidade e não fala a verdade sobre o caso

Em depoimento, ex-PM nega participação na morte de Marielle
Notícias ao Minuto Brasil

20:50 - 16/05/18 por Notícias Ao Minuto

Justiça investigação

O ex-policial militar Orlando Oliveira de Araújo, conhecido por Orlando Curicica, negou qualquer envolvido nas mortes da vereadora Marielle Franco (PSOL) e de seu motorista Anderson Gomes. Ele foi apontado como um dos responsáveis pelo crime, juntamente com o vereador Marcello Siciliano (PHS).

Indicado como membro de uma milícia da zona oeste do Rio, ele prestou depoimento aos investigadores da Divisão de Homicídios (DH) nesta quarta-feira (16), no Complexo Penitenciário de Gericinó, noticia o Extra.

Acompanharam o interrogatório o delegado Luís Otávio Franco, dois inspetores da Polícia Civil, e dois advogados de Orlando, Renato Darlan e Pablo Andrade.

"O depoimento todo durou cerca de 40 minutos. As perguntas foram no sentido se ele conhecia a vereadora Marielle e seu motorista. Se ele tinha relacionamento com o vereador Marcello Siciliano. Se ele tem a quem atribuir essa situação toda. Hove uma demora, apesar do depoimento ser curto, porque ocorreu uma conversa antes do depoimento, e todo um procedimento", explicou o advogado Pablo Andrade.

Ainda segundo o advogado, Curicica não se negou a responder qualquer uma das oito perguntas realizadas pelos investigadores: "Orlando negou envolvimento com este crime bárbaro. Disse que não tem relação nenhuma com o Marcelo Siciliano, que nunca esteve em lugar nenhum em reunião com o vereador", afirma a defesa.

+ Assaltantes se passam por agentes de saúde e espancam idoso em Brasília

Os advogados do miliciano já solicitaram à Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) a transferência de seu cliente, preso atualmente em Bangu 1, a 5ª Vara Criminal da Capital determinou, no entanto, a transferência do ex-PM para um presídio federal de segurança máxima.

"A gente entende que a juíza da 5ª vara Criminal não é competente para fazer a transferência. Na 5ª vara, ele responde por posse de arma de calibre restrito. Há outros dois processos que ele responde, que em tese seriam mais graves. Existe um processo, na 14ª Vara Criminal, que apura se o Orlando é ou não parte de uma milícia. Então, quem deveria decretar a transferência dele seria o juízo da 14ª Vara Criminal e não a 5ª vara Criminal, pontuou Andrade, considerando a decisão "absurda".

De acordo com o ex-PM, o delator não tem qualquer credibilidade e não fala a verdade sobre o caso.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório