Meteorologia

  • 20 ABRIL 2019
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Polícia do Rio cumpre mandados de prisão no caso Marielle Franco

Agentes estão em 15 endereços espalhados pelo Rio de Janeiro e em Juiz de Fora

Polícia do Rio cumpre mandados de prisão no caso Marielle Franco
Notícias ao Minuto Brasil

13:36 - 13/12/18 por Folhapress

Justiça investigação

A Polícia Civil cumpre mandados de prisão e de busca e apreensão nesta quinta-feira (13) ligados às mortes da vereadora Marielle Franco (Psol) e do motorista Anderson Gomes, há nove meses sem solução. Agentes da Divisão de Homicídios estão atrás de 15 endereços, segundo a TV Globo.

A assessoria da Polícia Civil disse que ainda não tem a confirmação da ação e que aguarda um posicionamento da delegacia. Procurado, o delegado Giniton Lages, que comanda as investigações, também não respondeu.

+ PF cumpre mandado de busca em investigação de ameaça a Bolsonaro

Segundo a reportagem, os policiais estão em 15 endereços espalhados pelos estados do Rio e de Minas Gerais: na zona oeste do Rio, em Nova Iguaçu (Baixada Fluminense), Angra dos Reis (sul do estado), Petrópolis (região serrana) e Juiz de Fora (MG).

Os mandados fariam parte de um outro inquérito -o do caso Marielle ainda não foi concluído-, mas teriam ligação com os assassinatos, que ocorreram em 14 de março no centro da capital e completam nove meses nesta sexta-feira (14).

Marielle e Anderson foram mortos no dia 14 de março. Desde então, autoridades declararam que o caso estava perto do fim ao menos cinco vezes, mas poucas informações concretas foram divulgadas. O que as provas indicam até agora é que foi um crime calculado e sofisticado.

A principal linha de investigação continua apontando para o vereador Marcello Siciliano (PHS) como mandante do crime por supostas desavenças com Marielle na zona oeste do Rio, o que ele nega desde o início. Há outras linhas, porém, segundo inquérito de milhares de páginas obtidas pela TV Globo e ainda não concluído.

O secretário de Segurança do Rio, general Richard Nunes, chegou a dizer em entrevista à Globonews que "não é um crime de ódio", que "a milícia, com toda certeza, se não estava no mando do crime em si, está na execução" e que "provavelmente" há políticos envolvidos.Já o delegado responsável pela apuração, Giniton Lages, se limitou a responder à reportagem que a equipe "está convicta de que o sigilo é medida fundamental e inafastável para o sucesso das investigações".

Leia também: Miliciano diz ter visto pagamento de propina a Divisão de Homicídios

Investigadores do Rio descobrem quem matou Marielle, diz colunista

+ Caso Marielle: suspeito relata pressão de policiais para assumir crime

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório