Meteorologia

  • 16 JULHO 2018
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Pequim põe em alerta frota, caças e 10 mil marinheiros

A China está se preparando para umas manobras de grande escala no mar do Sul

Pequim põe em alerta frota, caças e 10 mil marinheiros
Notícias ao Minuto Brasil

06:37 - 17/04/18 por Notícias Ao Minuto

Mundo alerta

Quase 50 navios e submarinos, mais de 70 caças e 10 mil marinheiros foram postos em alerta pelo líder chinês no mar do Sul da China. Desta maneira, Pequim lança uma advertência aos Estados Unidos, opinam especialistas.

A China está se preparando para umas manobras de grande escala no mar do Sul da China. Prevê-se que em 18 de abril a frota chinesa chegue ao estreito de Taiwan onde decorrerá a etapa principal do simulacro naval.

Alguns especialistas opinam que Pequim decidiu manter a vigilância de suas fronteiras em resposta à agressão norte-americana contra a Síria, escreve Artem Kol, em artigo. Segundo vários analistas políticos, a China, como aliado estratégico da Rússia, apoia desta maneira Moscou na sua tentativa de solucionar os conflitos globais.

+ Síria: a cronologia da guerra que já dura oito anos

No entanto, outros especialistas militares notam que com os exercícios de grande escala a China procura, na realidade, mostrar o poderio da sua Marinha modernizada que conta com armas mais avançadas.

Ultimamente, os Estados Unidos têm agravado a situação em torno de Taiwan. Em particular, o país norte-americano aprovou recentemente a Lei de Viagens a Taiwan que visa estimular as visitas oficiais mútuas dos funcionários norte-americanos e taiwaneses de todos os níveis e fortalecer as relações entre Washington e Taipé.

O Ministério da Defesa chinês qualificou esta lei de interferência na política interna da China e uma ameaça ao desenvolvimento das relações entre as Forças Armadas dos dois países. Pequim insistiu que Washington corrija suas ações e deixe de manter contatos oficiais com Taiwan para evitar um sério dano nas relações sino-americanas.

As relações oficiais entre as autoridades da República Popular da China e a província da ilha de Taiwan foram interrompidas em 1949, quando o Kuomintang (Partido Nacionalista Chinês), liderado por Chiang Kai-shek, teve que se deslocar para a ilha depois de sua derrota na guerra civil contra o Partido Comunista do país.

As relações entre os dois territórios chineses apenas foram restabelecidas a nível empresarial e informal nos fins dos anos 80 sem existirem contatos oficiais entre as autoridades. Pequim considera Taiwan como sua província rebelde e se recusa a ter relações diplomáticas com qualquer país que as mantenha com Taipé. Com informações da Sputnik News Brasil. 

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório