Meteorologia

  • 17 AGOSTO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Deputado de ultra-direita é espancado por três encapuzados na Alemanha

Frank Magnitz é líder do AfD no parlamento do país

Deputado de ultra-direita é espancado por três encapuzados na Alemanha
Notícias ao Minuto Brasil

13:20 - 08/01/19 por Ansa

Mundo Bremen

O deputado alemão e líder do partido de ultra-direita Alternativa para a Alemanha (AfD), Frank Magnitz, foi agredido nessa segunda-feira (7) na cidade de Bremen, no norte do país, e sofreu ferimentos graves.

A polícia ainda investiga detalhes sobre o incidente. Segundo o partido, Magnitz teria sido atacado por três homens encapuzados, que o atingiram com barras de madeira e depois o chutaram enquanto estava no chão. O AfD ainda relata que um trabalhador da construção civil interveio para impedir que as agressões continuassem. A polícia afirma que se trata de agressão com motivações políticas.

+ Forte terremoto atinge nordeste do Japão; há alerta de tsunami

Imagens do parlamentar inconsciente, com o rosto inchado e um corte na testa foram publicadas pelo partido nas redes sociais e reproduzidas na mídia local. Magnitz tem 66 anos, é casado, tem seis filhos e é deputado federal desde 2017.

Notícias ao Minuto                                                                    Imagem foi divulgada no Facebook

Esta não é a primeira vez que o AfD sofre com atentados violentos. Na última quinta-feira (3), um explosivo colocado em um lata de lixo danificou parcialmente a sede do partido, na região da Saxônia. Segundo a polícia, o ataque teria tido motivações políticas. O AfD é o principal partido de oposição do Congresso alemão.

+ Agência da ONU deve defender jovem saudita que fugiu e busca asilo

"A brutal agressão ao deputado Frank Magnitz deve ser fortemente condenada. Esperamos que a polícia encontre rapidamente os responsáveis ", escreveu o porta-voz da chanceler alemã, Angela Merkel, Steffen Seibert, no Twitter.

"A violência não pode mais ser o meio de confronto político", escreveu o ministro das Relações Exteriores do país, Heiko Maas. (ANSA)

Campo obrigatório