Meteorologia

  • 17 JULHO 2019
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Não somos mendigos, diz Maduro ao rejeitar ajuda vinda dos EUA

Antes, nesta sexta, Maduro divulgou nas redes sociais uma carta endereçada à população dos EUA na qual pediu apoio contra uma intervenção

Não somos mendigos, diz Maduro ao rejeitar ajuda vinda dos EUA
Notícias ao Minuto Brasil

17:20 - 08/02/19 por Folhapress

Mundo Venezuela

O ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, disse nesta sexta-feira (8) que a ajuda humanitária que chegou dos EUA e está estocada na cidade colombiana de Cúcuta deveria ser distribuída para colombianos pobres, pois os venezuelanos não são "mendigos".

Um dia depois que caminhões com remédios e comida chegaram a Cúcuta, na fronteira com a Venezuela, Maduro afirmou que não vai permitir a entrada dos suprimentos.

"A Venezuela não vai permitir esse show de ajuda humanitária porque não mendigamos para ninguém", afirmou. "A Venezuela não está sofrendo a crise humanitária fabricada por Washington ao longo dos últimos quatro anos para justificar uma intervenção em nosso país." 

Autoridades em Cúcuta estabeleceram um centro de estocagem próximo à ponte internacional de Tienditas, bloqueada pelos militares venezuelanos com dois caminhões e uma cisterna.

+ Relator da ONU considera inconstitucionais medidas contra Guaidó

"Não é nenhuma ajuda. É uma mensagem de humilhação para o povo, porque se quisessem ajudar deveriam cessar todas as sanções econômicas (...) O pacote é bonito por fora, de ajuda humanitária, mas por dentro tem veneno", ressaltou.

O presidente interino Juan Guaidó anunciou que mais carregamentos chegarão nos próximos dias e que outros centros de coleta serão instalados no Brasil e em uma ilha caribenha a ser definida.

Guaidó insiste na importância da entrada de ajuda humanitária e reiterou seus apelos aos militares para que não a impeçam.

"Eles estão em um dilema: ou se colocam ao lado do povo que precisa de ajuda ou do lado da ditadura", disse ele. O país produtor de petróleo, mergulhado na pior crise de sua história moderna, sofre uma severa escassez de produtos básicos e uma hiperinflação que o FMI estima em 10.000.000% em 2019.

Antes, nesta sexta, Maduro divulgou nas redes sociais uma carta endereçada à população dos EUA na qual pediu apoio contra uma intervenção, comparando a atual situação de seu país com as de Vietnã e Iraque antes da ação militar americana. No texto de três páginas, Maduro citou ainda o ex-presidente americano John Kennedy para defender que a oposição deveria aceitar dialogar com o regime e disse que não existe uma crise humanitária no país.

+ 6 meses após queda, começa demolição de ponte em Gênova

"Correm os dias que definirão o futuro de nossos países entre a guerra e a paz. Os seus representantes nacionais em Washington querem levar a suas fronteiras o mesmo ódio que semearam no Vietnã", diz a carta divulgada pelo próprio ditador nas redes sociais na madrugada desta sexta (8).

"Querem invadir e intervir na Venezuela - dizem eles, como disseram então - em nome da democracia e da liberdade. Mas não é assim". Com informações da Folhapress. 

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório