Meteorologia

  • 22 AGOSTO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Grupos de WhatsApp pró-Haddad proliferam; PT desconfia de armadilha

O boom de inclusões compulsórias coincide com o dia em que a Folha de S.Paulo publicou reportagem sobre empresas alinhadas a Jair Bolsonaro (PSL)

Grupos de WhatsApp pró-Haddad proliferam; PT desconfia de armadilha
Notícias ao Minuto Brasil

21:21 - 19/10/18 por Folhapress

Política Eleições 2018

Multiplicam-se o número de pessoas que vêm relatando terem sido adicionadas sem consentimento, a partir de quinta-feira (19), em grupos favoráveis a Fernando Haddad (PT).

O boom de inclusões compulsórias coincide com o dia em que a Folha de S.Paulo publicou reportagem sobre empresas alinhadas a Jair Bolsonaro (PSL) que pagaram para enviar milhões de mensagens pelo WhatsApp contra o PT.

+ TSE abre investigação sobre Bolsonaro e compra de mensagens anti-PT

A prática viola a lei duplamente, primeiro por não ser doação declarada, segundo por ter vindo de empresas, dois atropelos da legislação eleitoral.

Os nomes dos grupos contêm a frase "Defesa Democracia". "Somos defensores da democracia e de Haddad presidente. Você foi inserido aqui porque seu nome consta como filiado ao PT no TSE. Se você não é filiado, simpatizante ou mesmo defensor da democracia, desculpe-nos", diz mensagem de boas vindas aos novos integrantes.

O mesmo texto incentiva os participantes a buscar mais informações no site oficial da coligação da campanha petista, O Brasil Feliz De Novo. Mais especificamente, na seção "Fake News".

Ao menos quatro pessoas incorporadas aos grupos disseram não ser filiadas ao partido.

Fake news, para eleitores inseridos nas comunidades do WhatsApp à revelia deles, é que a iniciativa tenha partido da equipe de Haddad -que já disparou mensagens para desmentir que está por trás dos grupos,  que poderiam ser um estratégia criada por simpatizantes de Bolsonaro para dizer que os dois lados estão cometendo irregularidades no WhatsApp.

+ PGR pede à PF que investigue se empresas têm disseminado fake news

Segundo um dirigente da sigla, a campanha do PT tem monitorado relatos sobre a criação desses grupos e avalia se eles podem ser uma arapuca para atrair simpatizantes da legenda.

O intuito seria dar a impressão que estariam todos no mesmo barco, ou seja, os dois lados se valeriam da mesma estratégia de impulsionamento -serviço oferecido por plataformas digitais no qual se paga para aumentar a visibilidade de uma mensagem e escolher um público alvo para que ela atinja um determinado tipo de internauta.

"É evidente que é fake: a campanha do 'bot-sonaro' está tentando limpar a barra dele depois que surgiram as acusações de manipulação virtual e caixa 2: querem dizer que o PT também faz isso", diz uma eleitora que foi incluída sem seu aval num dos grupos.

Outra, que também não quis ser identificada por medo de represália, afirmou que "depois só rola conteúdo pró-Bolsonaro". "Deu ruim o grupo pró-Haddad. O povo não aguenta mais essa corja nojenta", escreveu um homem em uma das redes.

Um dos grupos tem como administrador Johnny Cozer Goulart, que é filiado ao PT e sócio da Agência Prospect Comunicação e Marketing, que já prestou serviço para quadros do partido, como os vereadores Jair Tatto e Senival Moura.

Ele disse à reportagem que não criou o grupo nem conhece quem o fez, mas foi colocado para administrá-lo -o aplicativo permite que o criador coloque outras pessoas para gerenciar a comunidade.

Goulart afirma que é, sim, simpatizante de Haddad, com quem trabalhou quando foi assessor de imprensa num órgão da Prefeitura de São Paulo, e acha que "a gente tem que desmascarar o Bolsonaro".

"Estou falando por mim. Se tiver que estender a bandeira do PT, estendo, mas de forma democrática." Ele admite que pode ter caído numa armadilha ao ser posto para administrar o grupo, cuja origem desconhece.

A reportagem tentou ligar para números cadastrados como criadores de dois desses grupos, sem sucesso. Com informações da Folhapress.

Campo obrigatório