Meteorologia

  • 23 OUTUBRO 2021
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

País fez exercício de simulação duas horas antes

Para o presidente mexicano, o exercício pode ter levado a que algumas pessoas tenham permanecido em casa por acharem que houvesse um erro nos alarmes sismológicos

País fez exercício de simulação duas horas antes
Notícias ao Minuto Brasil

21:37 - 19/09/17 por Folhapress

Mundo Terremoto

Os moradores da maioria dos Estados do México haviam feito nesta terça-feira (19) um exercício geral de simulação de terremoto às 11h (13h em Brasília), pouco mais de duas horas antes do terremoto de magnitude 7,1 que atingiu o país.

O ensaio de esvaziamento de prédios e casas é uma prática do chamado Dia Nacional da Defesa Civil, comemorado em 19 de setembro em memória do terremoto de 1985, que deixou ao menos 10 mil mortos na capital e na região central –a mesma atingida nesta terça.

+ Brasileiros no México falam sobre terremoto: 'Bem assustador'

Para o presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, a realização do exercício pode ter levado a que algumas pessoas tenham permanecido em casa por acharem que houvesse um erro nos alarmes sismológicos.

A simulação havia sido cancelada em cinco Estados pelo risco de pânico entre a população ainda afetada pelo terremoto do dia 7: Oaxaca, Michoacán, Guerrero, Puebla e México.

Embora a magnitude tenha sido mais baixa que os dos tremores de 32 anos atrás (8) e do dia 7 (8,1), este foi o mais próximo da capital mexicana. O primeiro foi registrado no mar perto de Lázaro Cárdenas, no Estado de Michoacán, a 400 km da Cidade do México.

O epicentro do seguindo foi perto de Pijijiapan, no Estado de Chiapas, a 700 km. Na ocasião, os danos registrados foram menores e as mais de 2.300 réplicas dos últimos 12 dias foram sentidas de forma leve na metrópole, diferentemente do que ocorreu na região atingida, no sudoeste mexicano.

Ao canal Milenio, a chefe do Serviço Sismológico Nacional, Xyoli Pérez, disse que não há relação entre os abalos desta terça e do dia 7. Além da proximidade, ela afirma que o solo da região deve contribuir para que os danos sejam maiores.

A Cidade do México e sua região metropolitana, que tem 25 milhões de habitantes, foram assentados sobre o lago de Texcoco, em um solo instável. Exemplos de sua fragilidade são a Catedral e a Basílica de Guadalupe, que estão afundando.

Na entrevista, Pérez reiterou que não é possível prever um terremoto, mas o Serviço Sismológico estimava que, devido à acomodação das placas tectônicas, o México poderia sofrer um terremoto de alta magnitude.

A chefe do órgão havia comentado essa possibilidade em entrevista, no dia 12. "Não podemos prever quando vai acontecer, mas pode ser em dias, semanas ou anos." Com informações da Folhapress. 

Campo obrigatório