Meteorologia

  • 18 NOVEMBRO 2018
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Deputados presos lotearam postos do Detran em 20 cidades do RJ, diz MPF

Esquema começou em 2005 durante o governo de Rosinha Garotinho e se expandiu no governo de Sérgio Cabral

Deputados presos lotearam postos do Detran em 20 cidades do RJ, diz MPF
Notícias ao Minuto Brasil

06:55 - 09/11/18 por Notícias Ao Minuto

Política investigação

Investigadores da Lava Jato no Rio descobriram esquema envolvendo os dez deputados estaduais presos nessa quinta-feira (8) para loteamento de postos do Detran em 20 municípios do Estado, de acordo com a denúncia do Ministério Público Federal.

A investigação começou com a apreensão do notebook do deputado Edson Albertassi, então líder do MDB na Assembleia Legislativa do RJ e um dos supostos beneficiados no esquema. Os investigadores encontraram a divisão de controle dos postos em cada cidade.

A empresa Prol, vencedora dos contratos para fornecimento de mão-de-obra nos postos, disponibilizava cargos para indicação dos deputados.

A planilha mostra o número de cargos disponíveis para cada deputado. Como explica o 'G1', trata-se de indicações para chefes de unidades, responsáveis por vistorias e assistentes.

+ ‘Alerj se transformou numa propinolândia’, diz procurador

+ Preso, deputado diz que mantém candidatura à presidência da Alerj

A força-tarefa concluiu que o ex-presidente da Alerj, o deputado Jorge Picciani foi quem indicou pessoas para cargos em mais cidade. Ao todo, foram seis: Nova Iguaçu, Queimados, Belford Roxo, São João de Meriti, Teresópolis e Três Rios.

Segundo os investigadores, o Detran era manipulado para a realização de atividades de interesse de grupos corruptos. De acordo com a delegada da Polícia Federal, Xênia Soares, o deputado Paulo Melo era considerado o “dono” do Detran.

Após ganhar os contratos, a Prol pagava propina à quadrilha do ex-governador Sérgio Cabral e disponibilizava cargos aos deputados estaduais, para que eles votassem projetos de interesse da empresa de propriedade do empresário Arthur César Soares, o Rei Arthur. Além disso, os funcionários da terceirizada indicados pelos parlamentares atuavam em campanhas políticas, garantindo aos deputados votação expressiva nas regiões onde eles tem controle das unidades.

O esquema começou, 2005, durante o governo de Rosinha Garotinho e se expandiu no governo de Cabral. Até o momento, não foi aberta investigação contra a ex-governadora.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório