Sem confirmação de microcefalia, grávidas com Zika fazem aborto

Os abortos são feitos de forma ilegal em clínicas clandestinas

© DR
Brasil Vírus 06:13 - 31/01/16 POR Notícias Ao Minuto

As gestantes com diagnóstico de infecção pelo Zika vírus estão recorrendo ao aborto clandestino antes mesmo da confirmação se o feto tem ou não microcefalia.

PUB

De acordo com a Folha de S. Paulo, o procedimento custa em clínicas particulares entre R$ 5.000 e R$ 15 mil, dependendo da estrutura e do estágio da gestação.

A reportagem conversou com três médicos que relataram casos de mulheres que já tomaram essa decisão. Segundo os médicos, todas são casadas, têm educação de nível superior, boas condições financeiras e tinham planejado a gravidez, mas se desesperaram com a possibilidade de a criança desenvolver a má-formação.

As grávidas estavam entre a sexta e oitava semana e interromperam a gestação com o misoprostol (Citotec). O medicamento é obtido no mercado ilegal, já que sua disponibilização é limitada a hospitais. A venda é proibida nas farmácias desde 1998.

O infectologista Artur Timerman contou que duas grávidas de São Paulo o procuraram nas últimas semanas com sintomas de zika.

Microcefalia e aborto

A presença do vírus foi confirmada com uma técnica chamada PCR, que pesquisa diretamente no sangue da paciente a presença de material genético do vírus da zika.

"Elas me perguntaram se havia risco de o bebê desenvolver microcefalia. Eu disse que sim, mas não saberia estimar quanto [seria o risco]. A decisão [do aborto] foi delas. Em nenhum momento eu disse faça ou não faça", relatou Timerman. O médico contou que ficou sabendo depois que as pacientes tinham feito o aborto com outros profissionais.

A publicação refere também que ginecologista Ana (prefere não dar o sobrenome), do Nordeste do país, relatou situações semelhantes: três pacientes, após confirmação do zika, decidiram abortar. "Não quiseram esperar para ver", diz a médica.

Recorde-se que, no Brasil, o aborto só é permitido em casos de estupro, risco de vida da mãe e quando o feto é anencéfalo.

O aumento de casos suspeitos de microcefalia associados ao vírus da zika (são 3.448 no país) motivou um grupo de advogados, acadêmicos e ativistas a abrirem uma ação pedindo ao STF (Supremo Tribunal Federal) o direito ao aborto quando há a má-formação.

De acordo com a Folha, é o mesmo grupo que propôs a ação para interrupção da gravidez de anencéfalos, acatada pelo STF em 2012.

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS

X