Meteorologia

  • 20 MAIO 2024
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Pastor Felippe Valadão é indiciado por intolerância religiosa após discurso no RJ

A Decradi encaminhou o caso para o Ministério Público do Rio de Janeiro nesta terça-feira (16)

Pastor Felippe Valadão é indiciado por intolerância religiosa após discurso no RJ

Reprodução / Band

Notícias ao Minuto Brasil

17:30 - 20/04/24 por Folhapress

Justiça Intolerância religiosa

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A Polícia Civil do Rio de Janeiro indiciou por intolerância religiosa o pastor Felippe Valadão, líder da igreja Lagoinha Niterói.

A Decradi (Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância) encaminhou o caso para o Ministério Público do Rio de Janeiro nesta terça-feira (16).

Procurado pela reportagem, Valadão respondeu por mensagem que não comentaria o indiciamento.

O inquérito foi aberto após falas de Valadão durante um evento em maio de 2022, no município de Itaboraí (RJ), a cerca de 58 km do Rio de Janeiro.

Durante apresentações de comemoração pelo aniversário de 189 anos da cidade, Valadão afirmou, no palco, que a população local deveria se preparar "para ver muito centro de umbanda sendo fechado na cidade".

"Pode matar galinha, pode fazer farofa, pode fazer o que você quiser. Vem um tempo aí. Deus vai começar a salvar esses pais de santo que têm aqui na cidade. Chegou o tempo, Itaboraí."

Felippe Valadão e a esposa dele, Mariana Valadão, inauguraram a igreja Lagoinha Itaboraí nove meses depois do discurso.

Mariana Valadão é filha do pastor Márcio Valadão, que durante anos foi líder da igreja batista Lagoinha, baseada em Minas Gerais. A Lagoinha Niterói, liderada por Mariana e Felippe, tem dez igrejas espalhadas pelo estado e milhões de seguidores nas redes sociais.

Ainda em 2022, o Ministério Público do Rio de Janeiro ajuizou ação civil pública para condenar o pastor ao pagamento de indenização no valor de R$ 300 mil por danos morais coletivos.

"A liberdade de expressão não se confunde com liberdade de agressão a direitos fundamentais, entre eles a liberdade religiosa", escreveu o promotor Tiago Gonçalves Veras Gomes na ação.

Na época, Valadão publicou nas redes sociais um posicionamento sobre o caso. Os advogados de defesa do pastor afirmavam que "não resta a menor dúvida que o breve discurso do pastor foi mal compreendido ou está sendo deliberadamente deturpado".

Campo obrigatório