Meteorologia

  • 24 JUNHO 2024
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Carro e viagens: casal desvia dinheiro de campanha de filho doente

A dupla foi condenada em 2022 por estelionato e apropriação de bens, tendo utilizado parte do dinheiro arrecadado para fins pessoais, incluindo viagens e compras de itens como celulares e um carro.

Carro e viagens: casal desvia dinheiro de campanha de filho doente
Notícias ao Minuto Brasil

08:43 - 25/05/24 por Guilherme Fabricio Bernardo

Justiça Santa Catarina

Renato e Aline Openkoski, um casal de Joinville (SC), foram presos nesta semana após arrecadarem mais de R$ 3 milhões em uma campanha para tratar a doença do filho em 2017. A dupla foi condenada em 2022 por estelionato e apropriação de bens, tendo utilizado parte do dinheiro arrecadado para fins pessoais, incluindo viagens e compras de itens como celulares e um carro.

O site UOL teve acesso à apelação criminal apresentada pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), que detalha os gastos indevidos do casal entre março e dezembro de 2017. Durante esse período, os valores arrecadados para ajudar o filho Jonatas foram utilizados para comprar diversos itens, incluindo aparelhos eletrônicos e peças automotivas. Em março, por exemplo, Renato e Aline gastaram R$ 4.396,00 em dois celulares Motorola Moto Z e R$ 1.066,00 em peças automotivas.

Ao longo dos meses, os gastos pessoais continuaram a se acumular, com compras cada vez mais variadas e inusitadas. Entre os itens adquiridos estavam uma carabina de pressão Hatsan, uma luneta, uma capa de tecido para luneta, um faqueiro, mensalidades de academia para o casal e outros parentes, roupas, sapatos, um skate, despesas em restaurantes e casas noturnas, produtos da Herbalife, uma mesa, um aparelho de som JBL e um fone de ouvido.

Entre os itens de maior valor, destacam-se um carro KIA Sportage avaliado em R$ 140 mil e uma viagem a Fernando de Noronha que custou R$ 7.883,12. Além disso, o casal comprou um iPhone por R$ 3.612,02 e um par de alianças no valor de R$ 3.581,50. Essas compras, realizadas com o dinheiro destinado ao tratamento do filho, foram fundamentais para a condenação do casal.

Leia Também: Delegado aposentado é queimado vivo dentro de casa em Minas Gerais

Campo obrigatório