Meteorologia

  • 17 MAIO 2024
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Egito fecha fronteira com Gaza após Hamas esconder terroristas em ambulâncias

Com isso, as 34 pessoas à espera de repatriação ao Brasil em Gaza encaram mais um possível adiamento

Egito fecha fronteira com Gaza após Hamas esconder terroristas em ambulâncias
Notícias ao Minuto Brasil

06:00 - 09/11/23 por Folhapress

Mundo EGITO-GAZA

IGOR GIELOW (FOLHAPRESS) - O grupo terrorista Hamas escondeu alguns de seus integrantes em ambulâncias que transportavam feridos da Faixa de Gaza para o posto de fronteira de Rafah, levando o Egito a fechar novamente a passagem inclusive para estrangeiros autorizados a usá-la.

Com isso, as 34 pessoas à espera de repatriação ao Brasil em Gaza encaram mais um possível adiamento. Elas já não haviam sido incluídas na sexta leva de permissões para deixar o território na manhã desta quarta-feira (8), que tinha favorecidos da Ucrânia (228 cidadãos), Filipinas (107), Estados Unidos (100), Alemanha (75), Romênia (51) e Canadá (40).

O incidente, segundo pessoas com conhecimento do assunto em Tel Aviv e no Cairo, irritou ambos os governos. Eles vêm coordenando esforços para a retirada de feridos mais graves na campanha israelense contra o Hamas, que governa Gaza desde 2007 e iniciou uma guerra contra o Estado judeu há um mês.

No sábado (4), o Egito já havia suspendido a passagem após Israel alvejar uma ambulância sob a alegação de que ela transportava terroristas. O Hamas nega, e diz que 15 civis morreram na ação. Seja como for, costurou-se um novo acordo e, a partir da segunda (6), as ambulâncias passaram a ser acompanhadas pelo Crescente Vermelho/Cruz Vermelha na região.

Na terça (7), as listas com autorizações para estrangeiros voltaram a ser emitidas. Ainda não está claro o momento em que foi notada a presença de infiltrados do Hamas entre os feridos nesta quarta, mas o clima azedou novamente naquilo que o Departamento de Estado dos EUA chamou de "incidente de segurança".

O embaixador de Israel no Brasil, Daniel Zohar Zonshine, divulgou uma nota aludindo à questão na tarde desta quarta, sem citar detalhes do episódio. "O Hamas está fazendo uso cínico da população civil estrangeira no meio da guerra e impediu estrangeiros de saírem", afirmou.

O comunicado visava responder a críticas da esquerda de que as ações do Estado judeu seriam retaliações ao Brasil por sua conduta à frente do Conselho de Segurança da ONU em outubro. No período, Brasília buscou soluções de consenso que desagradaram Israel.

"O Estado de Israel está empregando esforços para evacuar todos os estrangeiros de 20 países diferentes e aumentar a cota de forma a compensar o atraso causado pelo Hamas", afirmou. Seu relato bate com outros feitos por pessoas na região.

Tudo indica que a suspensão pode cair já nesta quinta (9). Mesmo assim, o anúncio de que o Brasil estava fora da lista foi particularmente dolorido para o grupo sob proteção do Itamaraty, como o comerciante de São Paulo Hasan Rabee, 30, que na véspera havia postado no Instagram uma mensagem otimista, prevendo sua saída para esta quarta.

Ele aparentemente se baseava na promessa feita pelo chanceler israelense, Eli Cohen, a seu colega brasileiro, Mauro Vieira, na sexta (3). O problema, contudo, foi o fechamento da fronteira no sábado.

Ao todo, contando o anúncio desta quarta, cerca de 4.100 pessoas já receberam os passes para sair por Rafah, mas não os brasileiros.

O fato é que as autorizações são complexas, passando por quatro países com voz final do Egito, e o Brasil não é exatamente um ator regional importante. Considerando o prazo dado por Cohen, é possível especular que a solução para a situação dos brasileiros seja encontrada no fim desta semana, caso o contexto volte ao normal.

Os refugiados brasileiros estão em dois grupos, um de 18 em Rafah e outro, de 16, em Khan Yunis, a 10 km de lá. Eles relatam dificuldades diárias para viver, e os bombardeios de Israel seguem constantes em ambas as cidades.

Enquanto isso, a Embaixada do Brasil no Cairo prepara a recepção aos refugiados, que receberão atenção médica antes de embarcar no voo de volta em um VC-2, a versão de transporte presidencial do Embraer-190. O avião está no Cairo.

Até esta semana, foram repatriados na crise 1.410 brasileiros e 3 bolivianos de Israel, além de 32 brasileiros da Cisjordânia -a outra metade do Estado palestino que nunca veio à luz de forma plena após os acordos de Oslo, em 1993. Em 2007, o Hamas tomou Gaza para si, cristalizando a divisão entre os palestinos da região.

Leia Também: Guerra Israel-Hamas mata mais jornalistas que 20 meses da Guerra da Ucrânia

Campo obrigatório