Meteorologia

  • 25 FEVEREIRO 2024
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Lula põe Brasil à disposição para mediar disputa entre Venezuela e Guiana

O petista pediu para que a Celac (Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos) faça a mediação entre os dois países

Lula põe Brasil à disposição para mediar disputa entre Venezuela e Guiana
Notícias ao Minuto Brasil

19:30 - 07/12/23 por Folhapress

Mundo Diplomacia

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou que acompanha com crescente preocupação o aumento das tensões entre Venezuela e Guiana pela disputa de Essequibo, região rica em petróleo e minas. Em discurso em encontro com chefes de Estado na Cúpula do Mercosul, nesta quinta-feira (7), ele disse não querer que essa questão se torne uma ameaça à paz e à estabilidade na América do Sul.

"Uma coisa que nós não queremos aqui na América do Sul é guerra. Nós não precisamos de guerra, não precisamos de conflito", afirmou Lula. Ele continuou: "Nós precisamos construir a paz, porque somente com muita paz a gente pode desenvolver o nosso país, a gente pode gerar riqueza e a gente pode melhor a vida do povo brasileiro".

O petista pediu para que a Celac (Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos) faça a mediação entre os dois países, mas colocou o Brasil à disposição para sediar as reuniões entre Venezuela e Guiana. Lula ainda solicitou que tanto o organismo internacional quanto a Unasul (União de Nações Sul-Americanas) busquem um "encaminhamento pacífico da questão".

"Caso considerado útil, o Brasil e o Itamaraty estarão à disposição para sediar qualquer e quantas reuniões forem necessárias", afirmou. "Não queremos que esse tema contamine a retomada do processo de integração regional ou constitua ameaça à paz e à estabilidade".

No discurso, Lula propôs aos demais presidentes do Mercosul que aprovassem uma declaração para apaziguar as tensões no continente. Ele afirmou que o posicionamento é o mesmo que foi adotado em reunião no dia 22 de novembro entre ministros da Defesa e chanceleres da América do Sul.

"O Mercosul não pode ficar alheio a essa situação. Por isso, eu quero submeter à consideração de vocês a minuta de declaração dos Estados parte do Mercosul sobre essa controvérsia acordada pelos nossos chanceleres", afirmou o petista. "Recordo a declaração adotada no último 22 de novembro na reunião de diálogo entre ministros da Defesa e das Relações Exteriores da América da Sul, em Brasília, que reafirma a região como uma zona de paz e cooperação".

A ideia de emitir um comunicado em conjunto com os demais membros do Mercosul já era debatida pelo governo brasileiro. Na noite de quarta-feira (6), Lula se reuniu com o ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, e com o assessor especial da Presidência, Celso Amorim, para debater a melhor forma de fazer esse pronunciamento em conjunto, sem agravar ainda mais a controvérsia entre Venezuela e Guiana.

A ideia, segundo pessoas próximas ao governo, é a de que o comunicado em conjunto saia antes da reunião do Conselho de Segurança da ONU que deve discutir a questão, marcada para esta sexta-feira (8).

"Se vocês estiverem de acordo, essa nota que tinha sido feita pelos nossos chanceleres e ministros da defesa poderia ser aprovada aqui", disse Lula aos demais presidentes do Mercosul.

Campo obrigatório