Meteorologia

  • 22 ABRIL 2024
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Centenas de mulheres tiveram DIU implantados sem consentimento

As mulheres afirmam que dispositivos contraceptivos intrauterinos (DIUs) foram implantados em seus corpos sem o seu consentimento ou conhecimento

Centenas de mulheres tiveram DIU implantados sem consentimento
Notícias ao Minuto Brasil

07:54 - 05/03/24 por Notícias ao Minuto Brasil

Mundo Queixa

Cerca de 150 mulheres da Groenlândia entraram com uma ação judicial contra o Estado dinamarquês, alegando que foram vítimas de esterilização forçada. As mulheres afirmam que dispositivos contraceptivos intrauterinos (DIUs) foram implantados em seus corpos sem o seu consentimento ou conhecimento.

A ação judicial, que pede indenização de 5,7 milhões de euros, foi protocolada na segunda-feira (5 de março de 2024). As mulheres consideram a ação do Estado como uma violação dos seus direitos humanos.

Segundo o jornal The Guardian, algumas das mulheres tinham apenas 12 anos quando os DIUs foram implantados por seus médicos. Acredita-se que a medida tenha sido tomada com o objetivo de conter o aumento da natalidade na região. Entre 1966 e 1970, estima-se que 4.500 mulheres e crianças tenham sido vítimas dessa prática.

Em outubro de 2023, 67 mulheres denunciaram o caso e exigiram indenização do Estado, que até então não havia se manifestado sobre o assunto. Desde então, o número de queixas mais que dobrou.

Naja Lyberth foi a primeira mulher a tornar pública sua história. Ela afirma que o DIU foi implantado durante uma consulta médica quando ainda era adolescente. Lyberth acusa o Estado de ter realizado uma esterilização concertada.

Embora Lyberth tenha compartilhado sua história há vários anos, o escândalo só recentemente ganhou atenção generalizada na Dinamarca.

A Gronelândia, que foi colônia dinamarquesa até 1953, possui um governo local autônomo, mas também faz parte do Reino da Dinamarca e tem dois representantes no parlamento dinamarquês.

No ano passado, o Estado dinamarquês e o governo da Gronelândia lançaram uma investigação imparcial sobre este caso e sobre outras práticas de controle da natalidade implementadas na Gronelândia entre 1960 e 1991. A investigação, no entanto, só deve ser concluída em maio de 2025.

Leia Também: Amigos morrem após envenenamento com fentanil e corpos são trocados

Campo obrigatório