Meteorologia

  • 17 DEZEMBRO 2018
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Senado argentino vota projeto que põe em jogo credibilidade do país

Polêmico por prever cortes na administração do Estado, de obras de infraestrutura à saúde, orçamento vem causando protestos da oposição e de organizações sociais

Senado argentino vota projeto que põe em jogo credibilidade do país
Notícias ao Minuto Brasil

21:20 - 13/11/18 por Folhapress

Mundo Crise

O Senado argentino votará nesta quarta-feira (14), a partir das 14h (15h de Brasília), o orçamento para 2019. Em jogo também está a credibilidade do país diante do FMI (Fundo Monetário Internacional), a quem recentemente pediu um empréstimo de US$ 50 bilhões, dos investidores estrangeiros.

Dependem do voto ainda a popularidade do governo Mauricio Macri e o desenho do Congresso para o próximo ano, já apontando para as principais forças políticas que disputarão as eleições presidencial e legislativa de 2019.

O projeto já foi aprovado na Câmara dos Deputados em decisão acirrada, com 138 votos a favor e 103 contra (com 8 abstenções e 7 ausências).

Polêmico por prever cortes na administração do Estado, de obras de infraestrutura à saúde, vem causando protestos da oposição e de organizações sociais. Na votação na Câmara, houve discussões aos gritos entre os parlamentares, que tiveram de ser separados por seguranças, e enfrentamentos em protestos de rua.

Para o voto desta quarta, o Congresso será cercado por placas de metal enquanto durar a sessão. Na Câmara, foram 17 horas. No Senado, deve se prolongar até a madrugada de quinta-feira (15).

+ Incêndio na Califórnia cresce, e só 30% das chamas foram contidas

Nos últimos dias, a aliança governista (Mudemos) havia anunciado ter os 40 dos 72 votos necessários para aprovar o orçamento, ao convencer o presidente da casa, o peronista moderado Miguel Pichetto, a fazer seu bloco votar junto com o governo.

Na segunda-feira (12), no entanto, seis parlamentares desse grupo disseram que não o fariam.

O clima no Congresso durante a terça-feira (13) era de inquietação e houve várias reuniões entre os chefes de bancadas e seus comandados.

Há, ainda, a possibilidade de não haver quórum ou de surgirem propostas para alterar o texto, o que levaria ao adiamento da decisão.

O governo quer o orçamento aprovado antes da reunião de líderes do G20 (que vai de 30 de novembro a 1º de dezembro), para mostrar o compromisso da Argentina com suas metas econômicas.

A votação do orçamento também mostrará o alinhamento das alianças ante as primárias presidenciais do meio do ano que vem.

O peronismo moderado, aliado essencial de Macri até aqui, se descola do governo desde que começou, em abril, a crise da alta do dólar.

Isso acontece também porque suas principais figuras, como o próprio Pichetto e o governador de Salta, Juan Manuel Urtubey, têm ambições presidenciais.

Outro bloco que votará contra o governo é o kirchnerismo, encabeçado pela ex-presidente e pré-candidata Cristina Kirchner.

Por fim, estão os senadores do Mudemos. Apenas 25, eles não têm poder de aprovação.

Macri pretende lançar-se à reeleição, mas analistas políticos creem que, caso sua aprovação continue caindo (está entre 35% e 38%) e os problemas econômicos (dólar alto, inflação) não se resolverem, suas chances diminuem. Aprovar o orçamento, portanto, já faz parte de sua estratégia eleitoral. Com informações da Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório