Meteorologia

  • 12 NOVEMBRO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Maduro confirma eleições presidenciais na Venezuela para 2018

Presidente disse que não está implementando uma ditadura no país

Maduro confirma eleições presidenciais na Venezuela para 2018
Notícias ao Minuto Brasil

15:28 - 09/11/17 por Notícias Ao Minuto

Mundo Voto

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, garantiu que o país realizará eleições presidenciais em 2018 conforme manda a Constituição.

"Em 2018, chova, troveje ou relampeie, vamos ter eleições presidenciais como manda a Constituição e confio o voto na consciência do povo", disse durante uma reunião com almirantes e generais da Força Armada Nacional Bolivariana (Fanb).

+ Paquistão: acidente com ônibus mata 26 e fere 50 pessoas

O mandatário rechaçou que o qualifiquem de "ditador" e definam seu governo como uma "ditadura". Ele ainda convocou os venezuelanos a irem às urnas no dia 10 de dezembro para votar no pleito municipal.

"Uma tremenda ditadura que organiza em 18 meses, a cada quatro meses em média, três processos eleitorais para que o povo eleja uma Assembleia Nacional Constituinte, votem em seus governadores e que, no próximo dia 10, elejam as autoridades das 335 prefeituras dos municípios do país", disse ainda em discurso.

Apesar do destaque dado pelo presidente, a convocação da Constituinte foi criticada por praticamente todos os países do mundo, que viram a tentativa de Maduro de dissolver a Assembleia Nacional, que tinha mais de dois terços dos representantes da oposição.

Além disso, nas eleições para governadores, a maior parte dos partidos de oposição boicotaram o processo por conta do juramento ao cargo ter que ser feito aos Constituintes e não à Assembleia eleita no fim de 2015.

Por conta da convocação da Constituinte, inclusive, a Venezuela registrou protestos diários contra Maduro, que causaram a morte de mais de 120 pessoas. Maduro falou sobre as manifestações e, como era de se esperar, acusou opositores de pagarem para haver violência.

"Eles não voltarão porque a oposição não tem mais condições e não vamos permiti-los nunca mais. Esses tempos de ódio e intolerância não voltarão. Hoje estamos mais esclarecidos e temos mais poder para fazer isso, além de termos novas técnicas e capacidades", disse aos militares. Com informações da ANSA.

Campo obrigatório