Meteorologia

  • 17 NOVEMBRO 2018
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Refugiados e crise na Venezuela disputam World Press Photo

Seis imagens de cinco fotógrafos disputam o prêmio principal, de foto do ano

Refugiados e crise na Venezuela disputam World Press Photo - Do australiano Patrick Brown, imagem retrata a tragédia do povo Rohingya. Captada em setembro de 2017, a foto exibe cadáveres de imigrantes depois do barco em que tentavam fugir se sido incendiado a oito quilômetros da praia de Inani, em Bangladesh. Cerca de cem pessoas estavam na embarcação, mas apenas 17 se salvaram.

Notícias ao Minuto Brasil

06:39 - 15/02/18 por Folhapress

Mundo PRÊMIO

Os corpos de refugiados rohingyas em Bangladesh, moradores de Mossul fugindo da batalha contra o Estado Islâmico no Iraque e manifestantes enfrentando a polícia na Venezuela estão entre as imagens finalistas do World Press Photo, principal prêmio do fotojornalismo mundial. 

Os finalistas da edição 2018 foram anunciados nesta quarta-feira (14).

Seis imagens de cinco fotógrafos disputam o prêmio principal, de foto do ano -o irlandês Ivo Prickett tem duas imagens na disputa-, ambas mostrando as vítimas da batalha em Mossul. 

Os outros nomes concorrendo são o australiano Patrick Brown (que flagrou os corpos dos rohingyas mortos quando fugiam de Mianmar), o venezuelano Ronaldo Schemidt (com uma foto de um manifestante pegando fogo em Caracas durante um protesto), o americano Adam Ferguson (com uma imagem de uma ex-refém do Boko Haram na Nigéria) e o britânico Toby Melville (que mostra uma mulher ferida após um ataque terrorista em Londres). 

+ Alvo de 800 acusações, Zuma diz que pedido de renúncia é injusto

Além do prêmio principal, há outras oito categorias em disputa: questões contemporâneas, vida cotidiana, notícias gerais, projetos de longo prazo, natureza, pessoas, esportes e furos de reportagem. Cada uma delas tem seis imagens nomeadas, com exceção de projetos de longo prazo, onde são três fotos na disputa. 

Fundada em 1955, a fundação World  Press  Photo, com sede em Amsterdã, é a responsável pela organização do prêmio.

Nenhum brasileiro foi indicado para a edição deste ano. Em 2017, o fotógrafo Lalo de Almeida, da Folha de S.Paulo, ficou em segundo lugar na categoria questões contemporâneas com seu ensaio sobre o surto de zika na região Nordeste. Com informações da Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório