Meteorologia

  • 16 OUTUBRO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

'Gabinete da raiva' perde espaço no Planalto rejeição a Bolsonaro

A estratégia de radicalização defendida pelo grupo, tutelado pelo vereador licenciado Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), vem sofrendo reveses desde que pesquisas começaram

'Gabinete da raiva' perde espaço no Planalto rejeição a Bolsonaro
Notícias ao Minuto Brasil

08:30 - 20/09/19 por Folhapress

Política Climão

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Com digitais na queda de dois ministros de Jair Bolsonaro (PSL), o chamado "gabinete da raiva" do Palácio do Planalto tem perdido protagonismo em um processo de redistribuição de forças das alas que cercam o presidente.

A estratégia de radicalização defendida pelo grupo, tutelado pelo vereador licenciado Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), vem sofrendo reveses desde que pesquisas começaram a apontar erosão da popularidade do presidente.

O bunker ideológico está instalado numa sala no terceiro andar do Palácio do Planalto, a poucos passos do gabinete presidencial.

Tercio Arnaud Tomaz, 31, José Matheus Salles Gomes, 26, e Mateus Matos Diniz, 25, chegaram ao governo com o objetivo de manter viva a militância digital responsável por alçar Bolsonaro à Presidência.

Com forte ligação com o filho 02, o trio passou a conquistar cada vez mais a confiança do presidente e a ditar, em momentos-chave, o comportamento do "mito", nome a que se referem ao presidente até hoje e que é usado pelos seus simpatizantes.

Para integrantes do núcleo moderado, entre eles a cúpula militar, parte do aumento da reprovação para 38%, apontada pelo Datafolha no início deste mês, deve-se à sucessão de declarações polêmicas de Bolsonaro em julho. A avaliação dessa ala palaciana é a de que o mandatário acabou sendo a principal vítima de seus ataques.

Naquele mês, dizem, o presidente foi estimulado pelo gabinete a entrar numa escalada de radicalização, com o objetivo de acenar a seus apoiadores mais fiéis. A tese do grupo ideológico é a de que ele não pode abandonar o tom de confronto que dominou a tônica de sua campanha eleitoral.

De acordo com relatos feitos à reportagem, eles tiveram papel determinante, por exemplo, na decisão de o presidente cancelar, de última hora, uma reunião com o ministro francês das Relações Exteriores, Jean-Yves Le Drian, no fim de julho. A ideia de Bolsonaro aparecer, em seguida, em uma transmissão ao vivo nas redes sociais cortando o cabelo, foi atribuída a eles.

O episódio acabou marcando o início da crise diplomática com o governo francês de Emmanuel Macron.Há alguns dias, foi divulgada uma conversa em que Macron reclama do episódio com o presidente chileno, Sebastián Piñera. "Isso não é a atitude de presidente", disse o francês.

Sob a influência de Arthur Weintraub, assessor especial da Presidência e irmão do ministro da Educação, Abraham Weintraub, o trio está na linha de frente do grupo que estimula Bolsonaro a ir para o confronto.

Procurado pela reportagem, o Planalto informou que o grupo possui "alguma relação de trabalho" com Bolsonaro por "demanda dele" e que ela é pautada na "ética" e na "confiança". Os servidores federais, diz a nota, repassam eventualmente avaliações e diagnósticos diretamente ao presidente.

Em nota, o Planalto afirmou ainda que Weintraub desempenha atribuições inerentes ao cargo e que os integrantes do gabinete "não recebem orientações ou ordens externas".

A reportagem enviou uma solicitação ao gabinete do vereador licenciado Carlos Bolsonaro, mas não obteve resposta.

Até o dia 29 de julho, no entanto, o setor moderado não valorizava a influência do "gabinete da raiva" sobre o presidente. Os assessores sempre foram tratados com certo menosprezo pelo núcleo duro. Com salários que variam de R$ 10 mil a R$ 13,6 mil, os três eram tidos como jovens e inexperientes demais para influenciar a cabeça de quem ocupou o cargo de deputado federal por sete mandatos.

Antes, porém, já vinham dando demonstrações de que tinham extrema interferência no dia a dia do governo.

A pressão sobre Bolsonaro para a queda de dois ministros, Gustavo Bebianno (Secretaria Geral) e Carlos Alberto dos Santos Cruz (Secretaria de Governo), é atribuída ao grupo, que turbinou a ofensiva para derrubá-los após os dois terem se envolvido em cizânia pública com o filho 02 -no caso de Bebianno, em meio ao escândalo de candidaturas laranjas do PSL revelado pelo jornal Folha de S.Paulo.

Desde então, o tratamento dispensado pelo trio do "gabinete da raiva" a auxiliares de Bolsonaro é sempre em tom de ameaça. Funcionários do Planalto relatam que já receberam mensagens como "o Carlos não vai gostar disso", em referência ao vereador, e "você se lembra o que aconteceu com Santos Cruz e Bebianno".

A última vítima do bunker palaciano foi o ex-secretário de imprensa do Planalto Paulo Fona, que tinha o apoio do atual ministro da Secretaria de Governo, general Luiz Eduardo Ramos, e ficou apenas seis dias no posto, caindo em agosto.

Antes mesmo de o jornalista ser nomeado, mensagens contra a sua indicação foram disparadas a auxiliares presidenciais. Nas redes sociais e em sites e blogs ligados à direita, houve uma enxurrada de críticas ao histórico profissional de Fona, que atuou para quadros do MDB, do PSDB e do PSB.

Desde o início deste mês, com a mudança de postura do presidente, as orientações do "gabinete da raiva" têm passado por uma espécie de filtro antes de atingir Bolsonaro em cheio. A ala moderada brinca que, a partir de agora, o grupo passou a tomar Lexotan, medicamento indicado para tratamento de ansiedade.

Além da queda de popularidade, a pressão de grupos econômicos diante das declarações intempestivas fizeram com que o presidente passasse a ouvir mais atentamente outro trio: os ministros Jorge Oliveira (Secretaria-Geral), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) -este último, dizem palacianos, tem sido o principal contraponto ao grupo.

Segundo relatos feitos à reportagem, desde a ascensão do novo triunvirato as redes sociais têm sido usadas para atacar Ramos e Oliveira, que se queixam em caráter reservado.

A tentativa de blindagem ao presidente, dizem pessoas próximas ao grupo ponderado, deve ficar mais clara no discurso de abertura da 74ª Assembleia Geral das Nações Unidas, no dia 24, em Nova York.

De acordo com esses aliados, Bolsonaro tem estado mais aberto a seguir a liturgia do cargo. A expectativa é a de que na ONU ele faça, mesmo que seja à sua maneira, um aceno à democracia, com duras críticas ao regime ditatorial de Nicolás Maduro na Venezuela.

Antes de ascender ao Planalto, Tercio Arnaud Tomaz e José Matheus Salles Gomes trabalharam na campanha presidencial. A ala que menospreza o trio diz que, na corrida eleitoral, a principal função deles era a de carregar as câmeras.

Eles se aproximaram da família por causa dos perfis que administravam nas redes sociais em apoio a Bolsonaro -entre eles o "Bolsonaro Opressor 2.0", ativo até hoje.

Campo obrigatório