Meteorologia

  • 22 MAIO 2024
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Família que teve casa invadida por engano diz que policiais debocharam

Policiais invadem casa por engano em Goiás e apontam arma para moradora.

Notícias ao Minuto Brasil

06:00 - 13/04/24 por Notícias ao Minuto Brasil

Justiça Goiás

A empresária que teve a casa invadida por engano durante uma operação afirmou que os policiais foram agressivos e até debocharam da situação. Tainá Fontenele relata momentos de terror após ter o portão da casa arrombado, ver uma policial com a arma em punho e saber que os filhos estavam atrás dela.

“Foi aterrorizante. Minha filha estava atrás de mim e a policial com a arma em punho. Poderia acontecer uma fatalidade dentro da minha casa", disse Tainá à TV Anhanguera.
 
 Tainá afirma que nunca passou por essa situação.

“Fizeram sarcasmo. O policial jogou beijo, piscou para mim e disse: 'vai lá na Corregedoria’. Eles falaram que não iria dar em nada", lembra a empresária.
 
De acordo com o G1, o casal registrou um Boletim de Ocorrência (BO) na tarde do último dia 11 de abril e, segundo a moradora, eles vão entrar com um processo contra os policiais e contra o estado.

O que aconteceu

CARLOS VILLELA
PORO ALEGRE, RS (FOLHAPRESS) - Policiais civis invadiram uma casa por engano em uma operação em Goiás durante o cumprimento de um mandado judicial.No começo da manhã de quinta-feira (11), em Aparecida de Goiânia, na região metropolitana de Goiânia, agentes da Polícia Civil arrombaram o portão de uma residência e surpreenderam os moradores.

A corporação disse que eventuais abusos ocorridos na operação já estão sob apuração interna.

Um vídeo mostra o momento em que policiais civis discutem com uma moradora. Uma das agentes da operação aponta uma arma para a mulher, que está filmando a operação.

Durante a discussão, a moradora questiona a ação da polícia e o estado que deixaram o portão de sua casa após a abertura forçada.

"Você acordou meu filho de dois meses, e minha filha de nove anos está chorando", disse ela aos policiais. "Você acordou", retrucou um agente.
Logo em seguida, a policial que apontava a arma tenta tirar o celular das mãos da mulher, que reage: "tira a mão de mim".

Ela também diz que quer ir na frente de casa chamar sua advogada para o esclarecimento da situação.

Quando um policial lê o nome do alvo do mandado, os moradores questionam quem é aquela pessoa. Ao perceber o erro, os agentes policiais recuam. "Vocês vão entrar em uma enrascada grande, pode filmar isso aí", disse outro morador da casa.
Após os policiais perceberem o engano, a mulher disse que queria a identificação de todos os envolvidos, e questionou a atuação das forças de segurança.

Também reclamou da ação física da agente que apontou a arma e tentou tirar seu celular. "Ela meteu a mão no meu pescoço", disse. A policial responde então que terá que ser feito o exame de corpo de delito.

A discussão se intensificou novamente quando o morador disse que houve falta de profissionalismo dos policiais. Um agente argumentou, elevando a voz, que estava seguindo ordens, enquanto segurava a documentação do mandado, e outro mandou o morador "baixar a bola". O vídeo acaba quando a moradora tenta pegar os documentos da mão do agente.

Em nota, a Polícia Civil afirmou que "os mandados de prisão e busca e apreensão foram cumpridos dentro da legalidade, conforme deferimento de ordem judicial, sendo o alvo da operação localizada e presa".
"Eventuais abusos cometidos durante a operação já estão sendo objeto de apuração pela Superintendência de Correições e Disciplina da PCGO", conclui o texto.

Leia Também: Senadora diz que Ciro Gomes 'vai responder na Justiça' por ofensas: 'Misoginia e machismo'

Campo obrigatório